Rádio Observador

Ambiente

ZERO enaltece diminuição de problemas com águas balneares

Os ambientalistas da associação Zero enalteceram a melhoria da qualidade das águas balneares, lembrando que este ano houve menos uma praia com banhos desaconselhados ou proibidos.

ANDREW GOMBERT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os ambientalistas da associação Zero enalteceram este sábado a melhoria da qualidade das águas balneares, lembrando que este ano, comparando com 2018, houve menos uma praia com banhos desaconselhados ou proibidos, de um total de 37 praias que registaram problemas.

Dessas 37 praias com banhos desaconselhados ou proibidos, a maioria foi devido a análises que ultrapassaram os limites fixados tecnicamente a nível nacional relativamente aos dois parâmetros microbiológicos que são avaliados (Escherichia coli e Enterococus intestinais) ou a situações como a ocorrência de microalgas vermelhas (que em junho afetaram diversas praias no Algarve, em particular entre Faro e Loulé).

“Comparativamente com o igual período do ano passado, as praias com problemas reduziram-se apenas em 0,2% (de 6,3% para 6,1). Porém, comparando as épocas balneares de 2018 e 2019, em ambos os casos até 15 de agosto, as praias afetadas desceram de 38 para 30 (uma redução de 21%) e no que respeita ao número de situações que conduziram ao desaconselhamento ou proibição de banhos no total das águas balneares, tal reduziu-se de 49 para 31 (uma redução de 36%)”, afirma a associação em comunicado, adiantando que, em sentido inverso, houve um aumento (de três para sete) das águas balneares interditadas pelos delegados regionais de saúde.

Do total de 37 águas balneares afetadas, oito eram de zonas balneares interiores e 29 costeiras.

“O único caso persistente, com dois desaconselhamentos/interdição a banhos, foi o da Praia de Faro-Mar no concelho de Faro”, acrescenta a associação, lembrando ainda que “nenhuma zona” balnear na Região Autónoma dos Açores relevou qualquer problema.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
4.202

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)