Um homem e uma mulher morreram este domingo em Vila Nova de Famalicão, escreve o Jornal de Notícias. Ao que tudo indica, tratar-se-á de um caso de violência doméstica que culminou em homicídio seguido de suicídio — e que elevará para 18 o número de mulheres que, desde janeiro de 2019, morreram às mãos de homens com quem viviam ou tinham em tempos vivido.

De acordo com o JN, o alerta foi dado por volta das 9h deste domingo, 18e agosto. Quando os bombeiros chegaram a casa do casal, em Gondifelos, encontraram Otília Castro, de 56 anos, já morta. José Carlos Ribeiro, picheleiro, de 61, terá sido encontrado ainda com vida mas acabou por morrer na ambulância, a caminho do hospital. Ambos tinham ferimentos consistentes com arma de fogo.

A notícia não terá sido recebida pelos amigos e familiares com surpresa. Segundo o Público, José Carlos já teria dito que um dia “ia perder a cabeça” e matar a mulher. Otília, por seu turno, já teria confidenciado às colegas da fábrica de têxteis em que trabalhava que ia tentar fazer com que ele saísse de casa. Terá mesmo formalizado uma queixa de violência doméstica contra o companheiro, que na passada sexta-feira, dia 16, foi chamado ao posto da GNR para prestar declarações. Terá sido depois desse episódio, diz o mesmo jornal, que a animosidade entre ambos aumentou.

Tanto Otília como José Carlos tinham filhos, mas não em comum. Todos já adultos, os dele vivem na Venezuela, onde chegou a morar durante largos anos, os dela em França, para onde emigraram.