Rádio Observador

Venezuela

Português vive na selva venezuelana há 25 anos e é conhecido como o ‘Rambo’ luso

Há 25 anos que o português António Pestana Drumond realiza expedições às regiões de selva do Delta Amacuro e do Parque Nacional Canaima. É conhecido como o 'Rambo' lusitano.

YEFFERSON SUÁREZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Há 25 anos que o português António Pestana Drumond realiza expedições às regiões de selva do Delta Amacuro e do Parque Nacional Canaima, leste da Venezuela, onde é conhecido pelos indígenas locais como o ‘Rambo’ lusitano.

“Tudo começou há anos, quando morei no Parque Nacional Canaima, na selva, durante dois anos, com os nativos. Desde há 25 anos que faço expedições à selva. Adoro a selva, o mato, os animais e os indígenas nativos”, disse à agência Lusa.

Nascido em Curaçau, de onde depois emigrou para o Porto Santo e a Madeira, este português explicou que inicialmente tratavam-no como ‘Indiana Jones’ Luso, depois ‘Tarzan’ e agora ‘Rambo’. “Vão-me mudando o nome, mas é pela paixão que tenho pela natureza”, comentou.

António Pestana contou que começou por promovendo o turismo tradicional para ilha venezuelana de Margarita (nordeste de Caracas), porque não queria fazer o que todos fazem ao chegar à Venezuela: “vender (distribuir) doces e bolachas pelo país”.

Explicou que naquela altura estavam à procura de pessoas que falassem português, inglês, espanhol e italiano, que pudessem ir viver para a selva e fazer viagens diárias para o arquipélago de Los Roques e outros destinos.

“Já fiz muitas expedições e todas deixaram uma marca especial. Já fiz expedições para a National Geographic, para televisões de outros países do mundo, Espanha, Portugal, mas a que mais me marcou foi ser guia de pessoas cegas”, relatou.

“Foi uma maneira de vencer algo que não era tão fácil, trabalhar em turismo com cegos. De facto éramos 30 guias a receber formação e apenas ficámos cinco”, disse.

O ‘Rambo luso’ sublinhou ainda que acabou por se apaixonar pelo que fazia, “por morar na selva, nas praias virgens das Caraíbas, da Venezuela, e ter contacto com os nativos” e que, disse, é algo que leva “no coração”.

Insistindo que todos deveriam conhecer as belezas da selva venezuelanas, António Pestana afirmou que “o Delta Amacuro é o destino mais exótico da Venezuela”.

“Nós chamamos-lhe o Vietname da Venezuela. Está entre os 10 maiores deltas do mundo. É talvez um dos mais bonitos, e nele vive uma etnia especial que são os ‘waraos’. Tem bonitas paisagens e o rio Orinoco que proporciona uma experiência incrível, a sensação de mergulhar nas águas do rio, nadar com as piranhas, poder comer o que eles comem e fazer caminhadas na selva”, descreveu.

Segundo este português, os ‘warao’ (significa homem da canoa) são uma comunidade indígena que cultiva pequenas hortas junto das suas casas, feitas de folhas de palmeira, de onde extraem o “Ocumo chinês” (também chamado de Ocumo do Delta), uma espécie de batata, que é um dos principais ingredientes da gastronomia local, a par do peixe, que constitui a base da alimentação destes nativos.

O português explicou ainda que os ‘waraos’ comem também “uma larva que é uma fonte de proteína muito importante e que é conhecida como o ‘viagra’ da selva”.

“Aqui nós aprendemos a comer as formigas, o palmito [coração da palmeira]”, exemplificou.

Para os ‘warao’, explicou, as canoas são como as bicicletas ou os triciclos para os portugueses: usam-nas desde meninos porque é o que lhes permite sair das cabanas e ir a qualquer lado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)