Rádio Observador

Futebol

Como o Barcelona errou com Philippe Coutinho (ou como Philippe Coutinho acabou emprestado ao Bayern)

123

Dois anos depois de se tornar o jogador mais caro da história do Barcelona, Philippe Coutinho foi emprestado ao Bayern com o rótulo de flop. O erro esteve logo no início, com o motivo da contratação.

O empréstimo do brasileiro custa 8,5 milhões de euros aos alemães, que ficam com uma opção de compra de 120 no final da época

Bongarts/Getty Images

Philippe Coutinho saiu do Brasil para a Europa em 2008, com 16 anos. Jogou no Inter Milão, regressou ao Brasileirão para representar o Vasco da Gama, mudou-se para Espanha para se juntar ao Espanyol e em 2013 assentou arraiais em Liverpool, onde despertou de vez para o futebol europeu. Há dois anos, quando se tornou a contratação mais cara da história do Barcelona, uma coisa era certa: com 25 anos, Philippe Coutinho tinha uma experiência impressionante, um currículo que passava por três das cinco principais ligas europeias e um já confirmado papel de destaque na seleção brasileira. Aterrou em Camp Nou para ser o substituto de Iniesta. E o erro começou logo aí.

Dois anos e meio depois de trocar o Liverpool pelo Barcelona e custar 120 milhões de euros aos cofres catalães — tornando-se, à data, a contratação mais cara do futebol espanhol e do Barcelona, que entretanto desembolsou o mesmo valor por Griezmann –, o jogador brasileiro ruma à Alemanha e ao Bayern Munique a título de empréstimo. Depois de ser associado a um regresso a Anfield Road, descartado desde logo graças à política de parco investimento que o Liverpool tem seguido desde que contratou Van Dijk, de ter ficado muito perto de voltar à Premier League mas para jogar no Tottenham e também depois de rejeitar o PSG, num negócio onde serviria de moeda de troca para colocar Neymar novamente em Barcelona, Philippe Coutinho acrescenta um cromo à caderneta e junta a liga alemã à italiana, à inglesa e à espanhola por onde já andou. O empréstimo custa 8,5 milhões de euros ao Bayern, que fica com uma opção de compra de 120 no final da época, e as chances de sucesso são elevadas. Nem que seja apenas porque, desta vez, o brasileiro vai substituir a pessoa certa.

E é aqui que voltamos ao tópico Iniesta. O antigo internacional espanhol, que está agora no Vissel Kobe do Japão, só deixou Camp Nou no verão passado mas a contratação de Coutinho em janeiro de 2017 já foi a pensar numa adaptação prolongada, ponderada e pensada para que o lugar deixado vago por Iniesta não ficasse no vácuo. Mas o jogador brasileiro nunca se habituou às funções mais construtivas do meio-campo, à exigência das transições defensivas e às dinâmicas do Barcelona: ia tudo contra o seu perfil natural, mais perto da área, mais próximo dos corredores, a procurar espaços entre linhas e com quase total liberdade de movimentos. O problema é que no Barcelona esse papel é de apenas um jogador — Lionel Messi. Só o argentino é que não tem uma função específica, só o argentino é que aparece na esquerda e na direita como logo a seguir aparece na faixa central e só o argentino é que tem carta branca para recuar, avançar, solicitar e aparecer em zonas de finalização. Philippe Coutinho, que tem como principais atributos tudo isso que Messi faz, foi ficando fechado ou no meio-campo ou num corredor. E a insatisfação do brasileiro tornou-se impossível de esconder.

A contratação mais cara da história do Barcelona (em ex aequo com Griezmann) acabou por revelar-se um flop

Na última temporada, os jornais espanhóis multiplicaram-se em textos e análises sobre a tristeza de Coutinho, o enfado de Coutinho, a falta de sorrisos de Coutinho. Entrou para o restrito lote de jogadores do Barcelona que foram assobiados pelos próprios adeptos e foi perdendo espaço para Dembélé, que ganhou vantagem na luta pelo terceiro lugar no trio onde já estavam Suárez e Messi. Este verão, com a chegada de Griezmann e o interesse do clube no regresso de Neymar, a saída de Philippe Coutinho era praticamente certa. Depois de 21 golos e 11 assistências ao longo de 75 jogos, o brasileiro deixa a Catalunha pela porta pequena e a palavra desilusão encaixa bem nos dois lados da barricada. Segue-se o Bayern: onde a história pode ser diferente logo a partir do primeiro capítulo.

Se em Barcelona chegou com o rótulo de substituto de Iniesta, em Munique chega com o rótulo de substituto de Ribéry e Robben, dois jogadores cujas funções e movimentos no Bayern se assemelhavam muito mais àquilo que Coutinho fazia no Liverpool — e àquilo que atraiu os catalães há dois anos e meio. Além de reforçar a equipa de Niko Kovac, que apesar da hegemonia dos últimos anos enfrenta esta temporada um renovado e perigoso Borussia Dortmund na luta pela liga alemã, o brasileiro chega para voltar a colocar o Bayern no radar da Liga dos Campeões. E para mostrar ao Barcelona que o erro estava nas expectativas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)