Rádio Observador

Futebol

Em França, o futuro chama-se Eduardo Camavinga, é angolano, tem 16 anos e destruiu o PSG

222

Eduardo Camavinga foi titular na receção do Rennes ao PSG, fez uma assistência e foi considerado o melhor em campo na vitória frente aos campeões em título. Pormenor: nasceu em 2002 e tem 16 anos.

O médio nasceu em Angola mas vive em França desde criança e poderá naturalizar-se para representar a seleção francesa

A última temporada do futebol internacional, com especial relevância para o europeu, teve com um dos principais destaques o surgimento e afirmação da geração de 1999, os jogadores de 20 ou ainda 19 anos que saltaram para o onzes iniciais de muitas equipas e que acabaram por valer milhões no mercado de verão. Com João Félix à cabeça, a colheita de 99 também inclui o central De Ligt, que brilhou no Ajax e mudou-se para a Juventus, o guarda-redes Donnarumma, os promissores Justin Kluivert e Kai Havertz e os portugueses Diogo Dalot, Florentino, Gedson Fernandes e Jota. Além da inequívoca qualidade, o grupo de jogadores nascidos há 20 anos surpreendeu pela elevada maturidade e confiança — isto tendo em conta que todos chegaram ao plantel principal de equipas que jogam nas competições europeias ainda enquanto adolescentes.

Mas se João Félix e companhia chegaram à ribalta do futebol europeu com 19 anos, Eduardo Camavinga já faz estragos antes sequer de ter 17. Nascido em 2002 (!) e com apenas 16 anos — completa 17 em novembro –, o jogador angolano chegou à equipa principal dos franceses do Rennes no final da temporada passada pela mão de Julien Stéphan, o treinador que levou o clube à conquista da Taça de França, vencendo o PSG na final. Este domingo, na segunda jornada da liga francesa, os atuais campeões em título voltaram a enfrentar o Rennes e voltaram a perder: e outra vez depois de estarem a ganhar. Cavani colocou a equipa de Thomas Tuchel em vantagem e Niang, com um grande golo, empatou tudo ainda antes do intervalo. Logo no início da segunda parte, Del Castillo confirmou a reviravolta do Rennes e o PSG perdeu mesmo pela primeira vez esta época.

Ora, foi Eduardo Camavinga, com apenas 16 anos, que assistiu Del Castillo para o golo da vitória. O médio angolano foi titular no meio-campo da equipa de Julien Stéphan (onde o ex-Sporting Salin também foi titular na baliza) e revelou-se instrumental para a conquista dos três pontos, já que terminou o jogo com mais de 97% de acerto de passe e dez duelos ganhos em 16 realizados e foi considerado o melhor jogador em campo. Com o passe para golo, Camavinga tornou-se mesmo o jogador mais novo a assistir na liga francesa pelo menos desde 2006/07 e mereceu nota 8 por parte do jornal L’Équipe, conhecido pela renitência em atribuir classificações individuais altas.

Com 1,82 metros, apesar de ainda ser adolescente, Camavinga assinou o primeiro contrato profissional com o Rennes apenas no passado mês de dezembro e estreou-se na equipa principal em abril, num empate contra o Angers, tornando-se o jogador mais novo de sempre a atuar pelo clube francês. Com apenas 16 anos, o médio angolano é desde já uma das grandes promessas do futebol europeu e pode acabar por ser uma boa notícia para a seleção francesa, já que nasceu em Angola mas vive em França desde criança e a naturalização é não só possível como provável. Entretanto, em Portugal, também um jogador de 16 anos já mereceu destaque na Primeira Liga: Matchoi Djaló, filho do ex-Boavista Bobó, entrou na segunda parte da receção do Benfica ao P. Ferreira na primeira jornada e tornou-se o jogador mais novo de sempre a atuar no principal escalão português.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)