Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Espanha oferece porto das Baleares, mas navio humanitário diz não ter condições para fazer a viagem

158

Espanha ofereceu o porto de Algeciras e o de Mahón, nas Baleares. Mas o Open Arms não aceita e diz precisar de desembarcar já. Entretanto, há relatos de um novo naufrágio ao largo da Líbia.

O navio humanitário "Open Arms" está há 17 dias no Mediterrâneo com os migrantes a bordo

ALESSANDRO SERRANO/AFP/Getty Images

Depois de a embarcação humanitária “Open Arms”, que está há 17 dias no mar com 134 migrantes a bordo à espera de autorização para desembarcar em Itália, ter recusado a oferta espanhola para aportar em Algeciras, o Governo espanhol informou a ONG de que o barco poderia desembarcar no porto de Mahón, na ilha de Menorca — o porto espanhol mais próximo da localização atual do barco, ao largo da ilha italiana de Lampedusa. Mas a tripulação do barco voltou a recusar, por considerar que as pessoas a bordo não se encontram em condições de fazer uma viagem daquela dimensão em segurança.

Neste momento, de acordo com a agência de notícias espanhola Efe, Espanha já tem aberta a possibilidade de o barco aportar em qualquer porto do país. Foi a vice-presidente do Governo em funções, Carmen Calvo, que telefonou na tarde de sábado à presidente da região autónoma das Baleares, Francina Armengol, para lhe propor que o porto de Palma (Mallorca) ou o de Mahón (Menorca) pudessem receber o barco, já que são os que se encontram mais próximos do “Open Arms”. Armengol concordou e os portos encontram-se neste momento preparados para receber o barco.

Porém, segundo o jornal espanhol El País, a ONG espanhola “Open Arms”, dona do barco com o mesmo nome, respondeu ao Governo de Pedro Sánchez que não será possível viajar em segurança até qualquer porto de Espanha. “Está a viver-se uma situação de ansiedade muito forte, com confrontos físicos, e isto influencia muito negativamente a segurança”, disse um porta-voz da ONG citado pelo jornal. “A situação tornou-se incontrolável, pelo que não podemos afastar-nos da costa em condições de segurança com as pessoas a bordo.”

Mesmo tendo em cima da mesa as opções de ir para o porto de Algeciras, que fica a 950 milhas náuticas de distância, ou para o de Mahón, a 590 milhas, o porta-voz argumenta que “tem de se impor o porto mais próximo, que é aquele que temos a meia milha, porque não podemos movimentar-nos em condições de segurança”. O barco encontra-se a menos de um quilómetro da ilha italiana de Lampedusa.

[Veja no mapa a localização do barco “Open Arms” e dos portos de Algeciras e de Mahón]

No domingo, chegaram do barco relatos pouco animadores sobre a situação a bordo. Um vídeo divulgado pelo líder da ONG, Oscar Camps, mostra vários migrantes a atirarem-se ao mar, na esperança de chegar a nado à costa de Lampedusa. Os socorristas presentes a bordo atiraram-se à água e conseguiram impedi-los, trazendo-os de regresso ao barco, mas a tripulação afirma que a situação é neste momento insustentável.

Também no domingo, a tripulação do barco enviou um novo pedido ao porto de Lampedusa para que o desembarque seja autorizado devido à situação das 107 pessoas a bordo — 27 menores não acompanhados já foram autorizados a desembarcar depois de Matteo Salvini ter assinado a autorização, contrariado, e colocado todas as responsabilidades no primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Também no Mediterrâneo continua o barco “Ocean Viking”, com 356 migrantes a bordo, que continua a tentar obter dos Governos de Itália e de Malta autorização aportar nos países — embora sem sucesso. Neste barco não foram reportadas situações de crise, embora haja indicação de migrantes com problemas de saúde a bordo que precisam de cuidados médicos com urgência.

Relatado novo naufrágio ao largo da Líbia

Já esta segunda-feira, a Alarm Phone, uma organização independente que gere uma linha telefónica de emergência para apoiar os migrantes no Mediterrâneo, alertou para a possibilidade de um naufrágio de mais um barco com migrantes ao largo da Líbia, que teria mais de 100 pessoas a bordo, e do qual poderão ter resultado várias mortes.

“Grande naufrágio no Mediterrâneo? Um pescador falou-nos ontem sobre um barco virado ao largo da Líbia. Ele disse que resgatou três pessoas e que viu muitos cadáveres. Os sobreviventes falam de mais de 100 pessoas a bordo. Neste momento, não podemos verificar isto, mas tememos que mais uma grande tragédia possa ter acontecido”, disse a organização através do Twitter.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)