Rádio Observador

Migrações

Merkel e PM húngaro confiantes em acordo com nova presidente da UE sobre migrações

Merkel disse ser "possível alcançar o inimaginável" quando se tem vontade de encontrar uma solução. Hungria defende uma política rígida contra a imigração, mas acredita em mediação de Von der Leyen.

Países comemoram "Piquenique Pan-europeu", uma abertura simbólica da fronteira austro-húngara que, há 30 anos, protagonizou a maior fuga para o Ocidente dos cidadãos da Alemanha comunista e deu origem à queda do muro

HAYOUNG JEON/EPA

A chanceler alemã e o primeiro-ministro húngaro expressaram esta segunda-feira a sua confiança em que a União Europeia adote um acordo relativo à questão das migrações sob mediação da futura presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Há diferenças [a debater], mas, para resolver a questão, precisamos apostar nas posições comuns e superar as diferenças”, disse Angela Merkel numa conferência de imprensa realizada na cidade húngara de Sopron, perto da fronteira com a Áustria.

A chanceler e o seu homólogo húngaro, Viktor Orbán, mantiveram um encontro bilateral depois de comemorar o chamado “Piquenique Pan-europeu”, uma abertura simbólica da fronteira austro-húngara que, há 30 anos, protagonizou a maior fuga para o Ocidente dos cidadãos da Alemanha comunista e deu origem à queda do muro.

“Compartilho o otimismo (de Merkel) quando diz que a nova comissária (europeia, a alemã Ursula von der Leyen) traz uma nova oportunidade. De facto, conversei recentemente com ela (…) e vi uma nova via em vez das velhas estruturas”, disse Orbán.

Os dois líderes responderam às perguntas da imprensa sobre as diferentes posturas face a temas relacionados com os refugiados e o asilo na União Europeia defendidas pela Alemanha — país que acolheu mais de um milhão de refugiados — e pela Hungria, que defende uma política rígida contra a imigração.

No entanto, os dois políticos destacaram sobretudo os aspetos em que coincidem e aqueles em que acreditam poderem estabelecer acordos sobre migração na UE.

Tanto Merkel como Orbán consideram que é preciso melhorar a situação da população nos países de origem da migração, especialmente nações africanas, bem como fortalecer a vigilância nas fronteiras externas da União Europeia.

A chanceler alemã lembrou, por seu lado, a importância para si própria dos “eventos de 1989” — já que nasceu na República Democrática Alemã (RDA) — considerando que são “muito inspiradores” porque mostraram que é “possível alcançar o inimaginável” quando se tem vontade de encontrar uma solução.

Poucas horas antes, a chanceler tinha recordado, na Igreja Evangélica de Sopron, após uma missa ecuménica para comemorar o “Piquenique Pan-europeu”, o que aconteceu inesperadamente em 19 de agosto de 1989 e agradeceu a ajuda da Huungria.

Naquela data, milhares de folhetos espalhados por vários locais anunciavam um piquenique como “uma festa da paz europeia”.

O evento, organizado pelo Fórum Democrático Húngaro e pela União Pan-Europeia Internacional, incluiria uma abertura simbólica da fronteira austro-húngara, que duraria cerca de duas horas.

“Os ‘acampamentos’ húngaros estavam cheios de cidadãos da República Democrática Alemã e também aí foram distribuídos os folhetos. Centenas de pessoas partiram rumo a Sopron, deixando tudo para trás para alcançar a liberdade do outro lado da fronteira”, lembrou Merkel.

“O piquenique tornou-se na maior fuga em massa da RDA desde a construção do Muro de Berlim, em 1961. Foi um evento histórico mundial”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)