Rádio Observador

Rali Dakar

Meses depois de deixar a F1, Alonso recusou voltar para poder partir à aventura no Dakar

Deixou a Fórmula 1 em dezembro, ganhou Le Mans em junho e vai estar no próximo Dakar com um pentacampeão ao lado. Entretanto, Alonso recusou ocupar o lugar de Pierre Gasly na Red Bull.

O piloto espanhol está a uma vitória nas 500 Milhas de Indianápolis de conquistar a Tripla Coroa do automobilismo

AFP/Getty Images

Ainda não há confirmação oficial, mas este é já o assunto preferido dos desportivos espanhóis, logo a seguir à novela Neymar: menos de um ano depois de deixar a Fórmula 1 e dois meses depois de ganhar as 24 horas de Le Mans pela segunda vez, Fernando Alonso deve anunciar esta terça-feira que vai competir no Dakar 2020, que, em janeiro do próximo ano, vai decorrer na Arábia Saudita. O piloto espanhol, que decidiu retirar-se da Fórmula 1 no final da temporada passada depois de 17 anos ao mais alto nível e dois títulos mundiais conquistados para perseguir o sonho da Tripla Coroa do automobilismo, vai representar a Toyota naquela que é uma das provas mais duras do desporto.

A seu lado, segundo conta a comunicação social francesa, Alonso vai ter uma lenda viva do Dakar: Marc Coma, o catalão que venceu cinco vezes (2006, 2009, 2011, 2014 e 2015) o Dakar na categoria de motas e que chegou a ser diretor desportivo da competição. O antigo motociclista cumpre então o sonho de participar na prova de carros do Dakar, ainda que como co-piloto, e vai garantir a Fernando Alonso a experiência necessária que o piloto de 38 anos, que sempre competiu em pista, não tem. Nas redes sociais, Alonso já revelou que terminou as férias e partilhou uma imagem a andar de bicicleta, provavelmente já a treinar para uma prova que é dura não só fisicamente como psicologicamente.

As notícias de que o espanhol vai fazer parte do pelotão do Dakar do próximo ano surgem numa altura em que Alonso já estava a merecer atenção por, ao que tudo indica, ter recusado um convite para voltar à Fórmula 1. Os rumores de um eventual regresso do antigo bicampeão mundial não são propriamente uma novidade — até porque Alonso testou o McLaren Honda antes do início da temporada e permanece envolvido nas operações da última equipa que representou na prova rainha do automobilismo; a novidade, porém, é que o convite para regressar não partiu da mesma McLaren. Terá sido a Red Bull a convidar o espanhol para ocupar o lugar de segundo piloto da equipa, ao lado de Max Verstappen, até ao final da presente época. Isto porque a equipa que atualmente compete de forma direta com a Mercedes e a Ferrari despromoveu Pierre Gasly, até aqui segundo piloto, à Toro Rosso, a sua equipa satélite: no seguimento da rejeição de Fernando Alonso, a Red Bull decidiu subir Alexander Albon, que estava então na Toro Rosso (num percurso que o próprio Verstappen também fez, já em 2016, quando trocou de lugar com Daniil Kvyat).

Depois de ganhar duas vezes o Mundial de Fórmula 1, duas vezes as 24 horas de Le Mans e uma outra as 24 horas de Daytona e de ainda ter conquistado o Mundial de Resistência, Fernando Alonso continua à procura de novos desafios e ainda não esqueceu as 500 Milhas de Indianápolis, a prova que lhe falta para se tornar apenas o segundo piloto da história a colecionar a Tripla Coroa (que fica completa com o Grande Prémio do Mónaco de F1 e Le Mans).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)