Rádio Observador

Diplomacia

Presidente de Cabo Verde faz visita de Estado a Moçambique depois das eleições de outubro

O também presidente em exercício da CPLP diz que não toma partido e não se pronuncia sobre divergências no interior de forças políticas, mas apelou ao diálogo e a que desavenças sejam "ultrapassadas".

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste

TIAGO PETINGA/LUSA

O chefe de Estado cabo-verdiano anunciou esta segunda-feira que vai realizar uma visita de Estado a Moçambique, após o país realizar eleições em outubro, deslocação que fará também como presidente em exercício da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Em conferência de imprensa na cidade da Praia de antevisão a deslocação ao Brasil, onde na quarta-feira vai receber o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal de Ouro Preto, de Minas Gerais, Jorge Carlos Fonseca disse que a visita deveria realizar-se entre 29 de julho a 3 de agosto último, mas o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, sugeriu o adiamento da mesma.

“Só farei a visita depois das eleições. As eleições estão marcadas para outubro, não faria sentido fazer uma visita num período eleitoral ou nas vésperas das eleições”, sustentou o Presidente de Cabo Verde.

O também presidente em exercício da CPLP disse que não toma partido e não se pronuncia sobre divergências no interior de forças políticas, mas apelou ao diálogo e desejou que a Renamo, principal força da oposição moçambicana, tenha uma liderança.

“Apenas formulamos votos para que esforços sejam feitos, o diálogo seja levado a cabo e que esse tipo de desavenças seja ultrapassado, e que se criem as condições para que as eleições previstas decorram com normalidade, para Moçambique continuar a trilhar caminhos de estabilidade e de progresso”, declarou Jorge Carlos Fonseca.

A autoproclamada Junta Militar da Renamo, que contesta a liderança do partido, elegeu esta segunda-feira Mariano Nhongo presidente do partido, à revelia da estrutura oficial da principal força da oposição moçambicana, que tem Ossufo Momade como líder.

O grupo, que se descreve como uma estrutura militar da Renamo “entrincheirada nas matas” com 11 unidades militares provinciais, considera que o acordo de paz assinado entre Filipe Nyusi e Ossufo Momade é nulo, na medida em que, segundo o grupo, Momade não representa a ala militar do partido.

De acordo com o porta-voz da Junta Militar, o novo presidente do grupo vai contactar o governo moçambicano para uma nova negociação, ameaçando com ações militares se o executivo moçambicano rejeitar renegociar com a estrutura para liderar as decisões do processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração.

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)