Rádio Observador

Curiosidades Auto

Este é, de longe, o carro mais rápido do mundo

159

Para um automóvel normal, atingir 200 km/h é todo um feito. Alguns, com mais de 1.000 cv, conseguem superar os 400 km/h, mas este consegue ser 300 vezes mais rápido. Já sabe de que veículo falamos?

A velocidade máxima atingida por um automóvel depende em grande parte da sua potência, com uma aerodinâmica mais apurada a dar igualmente um bom contributo, entre outros aspectos de menor importância. Daí que um Bugatti Chiron, com uns impressionantes 1.500 cv, tenha uma velocidade máxima teórica de 460 km/h, apesar de estar limitado a 420 km/h por não existirem pneus capazes de, em segurança, terem homologação superior. Mas apesar desta exibição de capacidade tecnológica, o Bugatti está longe de ser o carro mais rápido do mundo, uma vez que existe um veículo fabricado em 2008 que ultrapassa a velocidade máxima do hiperdesportivo francês em quase 300 vezes.

A “bomba” de que falamos não atinge a velocidade em terra, mas na Via Láctea, uma vez que “anda” à volta do Sol desde que foi lançado para o espaço a 6 de Fevereiro de 2018, amarrado no topo do primeiro foguetão Falcon Heavy produzido pela SpaceX. Como esta empresa espacial é controlada por Elon Musk, o carro que viaja pelo espaço não poderia ser outro que não um Tesla, mais especificamente um antigo Roadster que tinha 10 anos quando foi lançado.

Segundo o site que controla a evolução do veículo, que nasceu terrestre, mas que agora foi convertido em nave espacial, comandada pelo boneco que Musk baptizou Starman, o Tesla Roadster já percorreu mais de 1,2 mil milhões de quilómetros, a uma velocidade média de 120.913 km/h, ou seja, praticamente 300 vezes mais do que o Chiron. E tudo isto sem motor, pois tanto o que resta da nave como o Roadster há muito que não têm qualquer reserva de energia ou de potência. E mesmo a bateria já deve ter sido consumida pelo equipamento do carro, que toca a canção Space Oddity, de David Bowie, desde que descolou.

Se os valores impressionam, é bom recordar que também a Terra gira em torno do Sol a uma velocidade média de 107.208 km/h. O Roadster voltou a ser notícia por ter completado a primeira órbita em torno do Sol, o que aconteceu a 17 de Agosto, ao 557º dia no espaço. Sem a camada de ozono a protegê-lo da radiação ultravioleta dos raios solares, tanto o Tesla como o Starman devem estar agora com menos bom aspecto, sobretudo ao nível da pintura. Mas apto para mais umas “voltinhas” em torno do Sol.

Recorde em baixo o lançamento e veja como o Falcon Heavy, com o Roadster lá dentro, demorou 9,3 segundos para ir de 0 a 100 km/h. Se os primeiros instantes a seguir ao arranque não são o ponto forte do foguetão da SpaceX, os 200 km/h ficam para trás após 14,5 segundos e, para chegar aos 400 km/h, bastaram-lhe 24,6 segundos. Cinquenta e cinco segundos depois da descolagem já estava nos 1.000 km/h. Aos 2 minutos e 10 segundos tinha ultrapassado os 5.000 km/h e os 10.000 km/h em 3.40. Nove segundos depois, a cúpula que protegeu o Roadster no lançamento foi retirada e o Starman passou a gozar da vista sobre o planeta azul, ao som de Bowie. A recuperação dos dois boosters aos 7.50 é outro momento marcante.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)