Rádio Observador

Facebook

Nova ferramenta do Facebook mostra que dados pessoais a rede social recebe de outros sites

Esteve a ver um produto num site e apareceu-lhe no Facebook? É porque o site envia os dados para a rede social. Nova ferramenta vai dar mais controlo. Chega a Portugal "daqui a uns meses".

O Facebook é a maior rede social de todo o mundo com mais de 2 mil milhões de utilizadores. Em 2018, foi conhecido que os dados de 87 milhões foram utilizados pela Cambridge Analytica para influenciar eleições

SASCHA STEINBACH/EPA

Imagine que um site de roupa quer mostrar-lhe que par de sapatos vende. Como explica o Facebook, a página pode enviar para a rede social informação a dizer quais os dispositivos que estiveram a ver certa peça de vestiário. “Se esta informação coincidir com a conta de um utilizador do Facebook [ou Instagram], podemos mostrar anúncios de sapatos a essa pessoa”, continua. Contudo, e para cumprir promessas recentes de que os utilizadores vão ter mais controlo dos seus dados pessoais, a plataforma vai disponibilizar uma nova ferramenta que permite saber que sites estão a enviar a sua informação para a empresa fundada e liderada por Mark Zuckerberg. Chama-se “Off-Facebook Activity” [“Atividade fora do Facebook”, em português] e fica disponível já esta terça-feira. Para já, só vai estar disponível em Espanha, Coreia do Sul e Irlanda, mas chega a Portugal “daqui a uns meses”, diz a rede social.

O Facebook justifica receber este tipo de informação de sites e aplicações terceiras porque só assim é que podem ser gratuitos: “São suportados por publicidade online”. No entanto, como “em média, cada pessoa tem mais de 80 aplicações no smartphone e utiliza apenas 40 em cada mês, pode ser bastante difícil para as pessoas saber quem tem informação sobre si e para que é que é utilizada”. Por isso, o “Off-Facebook Activity” tem como objetivo “esclarecer um pouco mais estas práticas” que, como diz a rede social, “são comuns mas nem sempre são bem compreendidas”.

O “Off-Facebook Activity” vai permitir ao utilizador ver uma lista das aplicações e sites que enviam informação e, se este assim o desejar, desautorizar a utilização dos dados. Se o utilizador quiser, pode desautorizar o uso dos dados apenas para sites e aplicações específicas e não para todas. O Facebook afirma que, se o utilizador optar por esta solução, “não vai utilizar nenhuns dados para voltar fazer publicidade direccionada”.

Segundo a rede social que detém, além do Facebook, outras plataformas como o WhatsApp ou o Instagram, diz que para construir esta ferramenta foi necessário “redesenhar os sistemas e construir uma nova forma para processarem informação”.

Em março de 2018, foi divulgado pelo Channel 4, The Guardian e pelo The New York Times, que a Cambridge Analytica utilizou o Facebook para obter indevidamente os dados pessoais de 87 milhões de perfis. Com esta informação, a empresa influenciou eleições. O Facebook teve conhecimento da apropriação dos dados, mas não procedeu devidamente, o que culminou numa coima multimilionário para a empresa gerida por Mark Zuckerberg. Desde aí, a rede social tem estado debaixo de fogo e tenta recuperar a confiança dos utilizadores. Este ano, Zuckerberg prometeu que quer dar mais poder aos utiizadores para controlarem os seus dados e a empresa promete que vai criar mais ferramentas como esta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)