Rádio Observador

Meteorologia

Temperaturas vão chegar aos 40º C. País está em risco máximo de incêndios

508

Termómetros começam a subir a partir desta terça-feira e o calor vai acentuar-se na quinta. Em Lisboa são esperados 35º C nos próximos dias e Santarém pode atingir os 40º C.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

As temperaturas vão subir durante esta semana. Para esta terça-feira, Lisboa tem uma máxima prevista de 30º C, enquanto no Porto são esperados 28º C. Com 34º C, Castelo Branco, Santarém, Évora e Beja serão os distritos mais quentes do país. No Algarve, Sagres não deverá ir além dos 23º C, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os termómetros vão começar a subir de forma acentuada na quarta-feira, com Setúbal e Santarém a rondarem os 36º C e 38º C, respetivamente. No mesmo dia, Braga e Bragança vão ultrapassar os 30º C. Já na quinta, Lisboa terá 35º C e o distrito de Santarém pode mesmo atingir os 40º C. No Algarve, as temperaturas vão passar dos 23º C para os 31º C em apenas dois dias.

Dezassete distritos do continente vão estar, assim, sob aviso amarelo na quarta e quinta-feira devido à previsão de calor. Na quarta-feira, o aviso amarelo abrange os distritos de Évora, Porto, Setúbal, Santarém, Lisboa, Leiria, Beja, Coimbra e Braga e vai estar em vigor entre as 10h00 e as 18h00 de quinta-feira.

Para quinta-feira, o IPMA emitiu aviso amarelo para os distritos de Bragança, Viseu, Guarda, Vila Real, Viana do Castelo, Aveiro, Castelo Branco e Portalegre. Faro é o único distrito que não vai estar sob aviso amarelo quarta e quinta-feira.

Apesar das altas temperaturas, a nebulosidade também se pode fazer sentir no norte do continente e nas ilhas a chuva só deverá dar tréguas na quarta-feira, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Com a chegada do fim de semana, as temperaturas deverão descer ligeiramente. 

Ainda esta terça-feira, e devido ao calor, trinta e cinco concelhos dos distritos de Faro, Portalegre, Castelo Branco, Coimbra, Viseu, Guarda, Santarém e Bragança apresentam risco máximo de incêndio. Em risco máximo de incêndio estão os concelhos de São Brás de Alportel, Tavira, Castro Marim, Alcoutim (Faro), Marvão, Nisa, Gavião (Portalegre), Abrantes, Sardoal e Mação (Santarém), Vila Velha de Ródão, Vila de Rei, Proença-a-Nova, Oleiros, Penamacor e Covilhã (Castelo Branco) e Carregal do Sal, Mangualde, Penedono e Tabuaço (Viseu).

Também em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Seia, Sabugal, Guarda, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Trancoso, Figueira de Castelo Rodrigo, Meda, Vila Nova de Foz Coa e Pinhel (Guarda), Oliveira do Hospital e Tábua (Coimbra), Torre do Moncorvo, Vila Flor e Vimioso (Bragança).

O IPMA colocou também vários concelhos de todos os distritos de Portugal continental, com exceção de Viana do Castelo e Porto, em risco muito elevado e elevado de incêndio. De acordo com o instituto, o risco de incêndio vai continuar máximo, muito elevado e elevado pelo menos até ao fim de semana em vários distritos de Portugal continental.

Na segunda-feira, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou para o agravamento do risco de incêndio até sexta-feira para valores “muito elevados a máximos” em todo o território, com o aumento da temperatura e a diminuição da humidade.

Por causa das condições meteorológicas, a ANEPC recorda que durante o período crítico de incêndios, entre 1 de julho e 30 de setembro, é proibido fazer queimadas extensivas ou queima de amontoados sem autorização, não é permitido utilizar fogareiros e grelhadores nas zonas críticas do espaço rural, nem fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais.

A ANEPC recomenda ainda “a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio rural, nomeadamente através da adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, na utilização do fogo em espaços rurais, observando as restrições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de incêndio para os próximos dias”.

Continente e Madeira em risco muito elevado de exposição aos raios UV

Dezassete distritos de Portugal continental e o arquipélago da Madeira apresentam ainda esta terça-feira um risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV).

No continente, apenas Viana do Castelo apresenta risco elevado, estando os restantes 17 distritos com níveis muito elevados bem como o arquipélago da Madeira.

No arquipélago dos Açores, as ilhas das Flores, Faial e Terceira apresentam esta terça-feira risco moderado enquanto São Miguel está com níveis baixos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)