Rádio Observador

Vinho

Vinhos de Joe Berardo ascendem ao top 3 dos mais vendidos em Portugal

454

Apesar dos boicotes em maio, após a ida de Berardo à comissão de inquérito, dados da consultora Nielsen mostram que a Bacalhôa está em 3.º lugar nos vinhos mais vendidos em híper e supermercados.

iStockphoto/NatashaPhoto

A prestação de Joe Berardo na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos, em maio último, valeu ao comendador vários boicotes nas redes sociais aos vinhos a ele associados. A garrafeira e loja gourmet BacoAlto, como o Observador noticiou em primeira mão, deixou inclusive de vender os vinhos das marcas com o cunho de Berardo. Apesar disso, dados mais recentes relativos aos híper e supermercados, divulgados esta terça-feira pelo Jornal de Negócios, mostram que o grupo detido pelo empresário tem crescido e subiu ao terceiro lugar nas opções de compras vínicas dos portugueses.

Os dados citados fazem parte de um índice feito pela consultora Nielsen, a que o jornal já citado teve acesso, e remetem para o ano móvel que terminou em junho de 2019. O índice mostra que nos últimos 12 meses a Bacalhôa, empresa de Azeitão, vendeu 8 milhões de euros nas garrafas de 750 ml, roubando assim o lugar à Carmin – Cooperativa Agrícola De Reguengos De Monsaraz (que caiu para a 7.ª posição). A Bacalhôa ficou em terceiro lugar, à frente da Quinta da Aveleda (4.º) e do Esporão (5.º).

De referir que neste raking a Aliança, empresa bairradina também ela associada a Joe Berardo, surge autonomamente. Apesar disso, não há alteração na lista que continua a ser liderada pela gigante Sogrape — que no último ano vendeu 18,8 milhões de euros em vinho. Em segundo lugar fica a Adega de Pegões, da Península de Setúbal, que vendeu 13,6 milhões entre julho de 2018 e junho de 2019.

O Jornal de Negócios destaca ainda outro ponto a favor para os vinhos de Berardo. À parte das marcas próprias presentes na grande distribuição, o JP Azeitão da Bacalhôa recupera ao fim de três anos o “título de marca mais vendida”, superando o Casal Garcia, o Monte Velho e o Porta da Ravessa. Este vinho em particular representa 57% nas vendas de quase 9 milhões de euros correspondentes às duas empresas de vinho de Berardo nos supermercados do país. Note-se que os híper e supermercados concentram, segundo este jornal, mais de metade das vendas no país.

Em 1998, o empresário tornou-se no principal acionista da Bacalhôa. Quase dez anos depois, em 2007, a Bacalhôa tornou-se na maior acionista da Aliança, produtor bairradino de espumantes de grande prestígio, também autor de aguardentes e vinhos de mesa. Mais um ano, mais uma aquisição, com o grupo a comprar a alentejana Quinta do Carmo em 2008.

Da Bacalhôa Vinhos de Portugal, S.A. faz ainda parte a Quinta dos Loridos, há muito ligada à produção de espumantes, que deixou de produzir vinho em 2014. Entre Bacalhôa, Aliança e Quinta do Carmo estão cerca de 60 referências de vinho, dos quais o mais conhecido é o JP Azeitão.

Em tempos, Joe Berardo chegou a ter uma participação de cerca de 30% do capital da também produtora de vinhos Sogrape, percentagem que, ao fim de seis anos marcados por batalhas judiciais, acabou por vender à família Guedes, os principais acionistas daquela empresa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)