Rádio Observador

Abusos na Igreja

Supremo Tribunal recusa recurso de George Pell. Cardeal continua a cumprir pena de prisão por abuso de menores

George Pell, que em 2014 foi nomeado pelo Papa Francisco para colocar as finanças do Vaticano em ordem, vai continuar a cumprir os seis anos de prisão por cinco crimes de abuso sexual de dois menores.

Afastado do Conselho de Cardeais, George Pell é o mais alto responsável da Igreja Católica condenado por pedofilia

MASSIMO PERCOSSI/EPA

O Supremo Tribunal do estado australiano de Victoria decidiu na noite desta quarta-feira recusar o recurso que foi interposto pelos advogados do cardeal australiano George Pell contra a sua condenação a seis anos de prisão por pedofilia. De acordo com a CNN, os advogados do antigo número 3 do Vaticano tinham apresentado 13 obstáculos que diziam ser “sólidos” contra o veredito de culpado nas cinco acusações, mas o tribunal rejeitou essas alegações e considerou os testemunhos verdadeiros.

A decisão, no entanto, não foi unânime. O The Guardian conta que dois dos três juízes consideraram que as acusações contra Pell partiam de testemunhos verdadeiros, enquanto um juiz discordou e achou que o queixoso estava a tentar “embelezar” aspetos do seu testemunhos e que a possibilidade de ter inventado algo não podia ser exclusiva. No entanto, o tribunal teve de chegar a uma decisão comum.

Os advogados do arcebispo emérito de Melbourne e Sydney, de 77 anos, criticaram o veredicto do tribunal de primeira instância e uma das bases do recurso foi a alegação de que a decisão foi irracional, por se basear unicamente no testemunho de uma das vítimas. Já o procurador do Ministério Público tinha considerado no segundo dia de análise do recurso apresentado pelo antigo número três do Vaticano que a condenação de Pell por pedofilia “é incontestável”.

George Pell, que em 2014 foi nomeado pelo Papa Francisco para colocar as finanças do Vaticano em ordem, foi condenado no ano passado a seis anos de prisão por de cinco crimes de abuso sexual de dois menores, na altura com 13 anos, que pertenciam ao coro da catedral de St. Patrick, em Melbourne, em 1996 e 1997.

Depois de o tribunal anunciar a decisão de recusar o recurso interposto pelos advogados de Pell, uma das vítimas emitiu um comunicado onde contesta as acusações de que fez queixa às autoridades para benefício próprio. “Nada pode estar mais longe da verdade”, começa por dizer, acrescentando: “Arrisquei a minha privacidade, a minha saúde, o meu bem-estar, a minha família. Não instruí nenhum advogado em relação a um pedido de indemnização. Isto não é sobre dinheiro e nunca foi. Embora a minha fé tenha sofrido um golpe, ainda faz parte da minha vida e faz parte da vida dos meus entes queridos”, acrescentou uma das vítimas, citada pelo The Guardian.

Afastado do Conselho de Cardeais, George Pell é o mais alto responsável da Igreja Católica condenado por pedofilia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)