Rádio Observador

Presidente Trump

Trump cancela visita à Dinamarca depois de a primeira-ministra afirmar que a Gronelândia não está à venda

694

Mette Frederiksen disse que a ideia de os EUA comprarem a ilha era "absurda". "Tendo em conta os comentários da primeira-ministra [da Dinamarca], vou adiar o encontro", anunciou Trump.

Visita estava marcada para o dia 2 de setembro

PETE MAROVICH/EPA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelou esta quarta-feira a visita à Dinamarca que estava agendada para setembro depois de a primeira-ministra do país, Mette Frederiksen, afirmar que a Gronelândia não está à venda. Isto apesar de Trump ter dito no domingo que não ia visitar o país por causa do seu interesse em comprar a ilha. Mette Frederiksen já reagiu e mostrou-se “contrariada e surpreendida com o cancelamento da visita”.

A visita estava marcada para o dia 2 de setembro e Trump fora convidado pela Rainha Margrethe II, de acordo com a BBC. No entanto, a relação entre Washington e Copenhaga começou a esfriar depois de ter sido divulgado que os Estados Unidos estão interessados em comprar a Gronelândia, um território autónomo dinamarquês. Mette Frederiksen definiu a ideia dos Estados Unidos como “absurda”. “A Gronelândia não está à venda. Espero sinceramente que isto não seja a sério”, afirmara no domingo.

Tendo em conta os comentários da primeira-ministra Mette Frederiksen, de que não tem interesse em discutir a compra da Gronelândia, vou adiar o encontro que tínhamos marcado para daqui a duas semanas para outra altura. A primeira-ministra permitiu tanto aos Estados Unidos como à Dinamarca poupar muito dinheiro e esforço ao ser tão direta. Agradeço-lhe e mal posso esperar para combinar algo no futuro!”, escreveu Trump no Twitter.

A primeira-ministra afirma, no entanto, que a “a Dinamarca e os Estados Unidos não estão em crise” e garante que o convite do reino escandinavo “permanece válido”. 

Para além da reação da primeira-ministra dinamarquesa, já surgiram diversas reações ao cancelamento da visita oficial. “Caos total com o cancelamento da visita de Estado de Donald Trump à Dinamarca. Passou de uma grande oportunidade para fortalecer o diálogo entre aliados para uma crise diplomática”, escreveu no Twitter esta quarta-feira o ministro dinamarquês dos Negócios Estrangeiros, Kristian Jensen.

Já o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Søren Espersen, considera a atitude de Trump uma ofensa à Rainha Margrethe II. “É um choque sabendo que se trata de um aliado e de um bom amigo”, disse Espersen, citado pelo The Guardian.

“O homem é imprevisível”, comentou ainda o líder do partido social liberal dinamarquês, Morten Østergaard. “(O cancelamento) mostra o porquê de agora, mais do que nunca, devermos considerar outros países da União Europeia como nossos aliados próximos”, acrescentou.

A Comissão Europeia também já veio demonstrar que apoia na “na totalidade” a recusa dos governos da Dinamarca e da Gronelândia na venda da ilha aos Estados Unidos. “A Comissão defende na totalidade e apoia a posição que foi expressa, tanto pela primeira-ministra da Dinamarca, como pelo governo da Gronelândia”, afirmou esta quarta-feira a porta-voz do executivo comunitário Natasha Bertaud, na conferência de imprensa diária daquela instituição, em Bruxelas.

O interesse dos Estados Unidos na Gronelândia foi divulgado na semana passada e confirmado por Donald Trump no domingo. “Basicamente, é um grande negócio de imobiliário. Estrategicamente, seria bom para os Estados Unidos. Vamos analisar”, disse o Presidente sobre a possível compra da maior ilha do mundo.

Na terça-feira, o líder norte-americano partilhou no Twitter uma fotomontagem da Trump Tower na Gronelândia. “Prometo não fazer isto à Gronelândia!”, lia-se na legenda que acompanhava a foto.

Artigo atualizado às 15h50 com a reação da primeira-ministra da Dinamarca 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)