Rádio Observador

Hospitais

Hospital de Braga garante que segurança dos doentes está salvaguardada

O Hospital de Braga garantiu a segurança de todos os utentes, apesar de a Ordem dos Enfermeiros ter apontado "situações de indignidade e clara insegurança" e pedido medidas "urgentes" ao Governo.

O Serviço de Urgência do hospital recebe, em média, 600 utentes por dia, número que cresce em momentos de maior afluência para mais de 700

Hugo Delgado/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A administração do Hospital de Braga assegurou esta quinta-feira que “a segurança dos doentes que recorrem aos cuidados de saúde desta unidade hospitalar está salvaguardada” e que o número atual de profissionais “é o necessário”.

“O Hospital de Braga garante que a segurança dos doentes que recorrem aos cuidados de saúde desta unidade hospitalar está salvaguardada nos cuidados que presta e que o número de profissionais de saúde do Serviço de Urgência, nomeadamente enfermeiros, é o necessário para assegurar os cuidados à população”, refere uma nota enviada à agência Lusa.

Este comunicado surge no dia em que a Ordem dos Enfermeiros apontou que as urgências do Hospital de Braga têm vivido “situações de indignidade e clara insegurança”, exigindo medidas “urgentes” ao Governo.

Esta tarde, em declarações à agência Lusa, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, disse que esta entidade tem recebido “muitas fotografias”, as quais espelham a “falta de dignidade e a insegurança” das urgências do Hospital de Braga, equipamento que, em setembro, deixa de funcionar como parceria público-privada com o grupo Mello Saúde e passa a integrar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) como empresa pública.

Também esta tarde, o presidente do conselho de administração do Hospital de Braga, Vasco Luís de Mello, que falava aos jornalistas após uma reunião com a ministra da Saúde, Marta Temido, confrontado com a denúncia da Ordem, declarou desconhecer a situação, pelo que não podia pronunciar-se.

Frisando também não ter conhecimento das situações relatadas, Marta Temido afirmou que “o atendimento dos doentes no SNS é sempre feito com a melhor resposta possível”, acrescentando que “seria desejável que os doentes fossem atendidos com toda a celeridade” e garantindo “estar a trabalhar para ultrapassar quaisquer que sejam as dificuldades”. “Eu sou uma ministra orgulhosa do SNS que temos, apesar de saber que há muito a fazer para o melhorar”, declarou Marta Temido.

A Ordem dos Enfermeiros explicou que “há poucos enfermeiros para o número de utentes” que têm acorrido às urgências, frisando que, além da questão da dignidade, está em causa a segurança. Contrariando esta informação, o Hospital de Braga referiu, em comunicado, que “nos momentos de maior afluência” as equipas são reforçadas.

“Nos momentos de maior afluência, como aqueles que se registam no verão e no inverno, as equipas clínicas, médicas e de enfermagem, deste serviço, são, nomeadamente, reforçadas para fazer face ao aumento de atendimentos. Recentemente, aliás, a equipa de enfermagem do Serviço de Urgência foi reforçada através da contratação de novos enfermeiros”, lê-se na nota.

Quanto ao Serviço de Urgência, este recebe, em média, 600 utentes/dia, número que cresce, em momentos de maior afluência, para mais de 700 pessoas/dia, segundo dados remetidos esta quinta-feira à Lusa por esta unidade hospitalar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)