Rádio Observador

Habitação e Urbanismo

Juros do crédito à habitação em máximos dos últimos três anos

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação atingiu os 1,087% em julho, o máximo dos últimos três anos, revelou o Instituto Nacional de Estatística.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação subiu em julho para o máximo dos últimos três anos, atingindo os 1,087%, acima da taxa de 1,081% em junho, revelou o Instituto Nacional de Estatística.

Aquela taxa de juro chegou aos 1,089% em junho de 2016, descendo para 1,066% no mês seguinte e, desde essa altura, só em julho deste ano o INE registou taxa mais elevada.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 1,305% em julho passado, acima dos 1,267% do período precedente.

Para o destino de financiamento ‘aquisição de habitação’, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos subiu para 1,109%, mais 0,6 pontos base do que em junho, e nos contratos celebrados nos últimos três meses a taxa de juro para esse destino de financiamento aumentou 3,4 pontos base, para 1,281%.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação vencida subiu um euro, para 248 euros, e deste valor, 49 euros (20%) correspondem a pagamento de juros e 199 euros (80%) a capital amortizado.

Em julho, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 39 euros face a junho, fixando-se nos 52.954 euros.

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida fixou-se em 100.655 euros, mais 905 euros do que em junho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
271

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)