Rádio Observador

Itália

Líder do 5 Estrelas pronto para negociar “maioria sólida” em Itália

Luigi di Maio não quis dizer com que partido admite coligações, mas as conversações decorrem com o PD. O Presidente da República anuncia esta quinta-feira se aceita nova maioria ou se marca eleições.

LUCA ZENNARO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O líder do movimento 5 Estrelas (M5S, antissistema), Luigi di Maio, disse esta quinta-feira que está pronto para negociar “uma maioria sólida” no parlamento de Itália e evitar eleições antecipadas.

Nestas últimas horas, lançámos todas as conversações necessárias para encontrar uma maioria sólida ao serviço dos cidadãos”, disse Di Maio à imprensa depois de ser recebido pelo Presidente italiano, Sergio Mattarella.

Di Maio não nomeou nenhum partido com o qual admita vir a formar uma tal maioria, embora já tenha sido anunciado que o M5S está em conversações com os socialistas do Partido Democrático (PD, centro-esquerda).

Sergio Mattarella concluiu esta quinta-feira dois dias de consultas para determinar se há uma maioria parlamentar que permita formar um novo governo ou se convoca eleições antecipadas, três anos e meio antes da data prevista, na sequência da demissão do primeiro-ministro Giuseppe Conte. A decisão deverá ser conhecida ao início da noite desta quinta-feira.

O governo de coligação entre a Liga, de Matteo Salvini, e o Movimento 5 Estrelas, de Luigi di Maio, foi dado como findo na semana passada por Salvini, vice-primeiro-ministro e ministro do Interior, ao fim de 14 meses de coexistência difícil.

Segundo a maioria dos analistas, Salvini planeava forçar a antecipação das eleições legislativas para aproveitar o recorde de popularidade de que goza em Itália (36%-38%), sobretudo depois de a Liga ter sido o partido mais votado nas eleições europeias de maio, em que obteve 34% dos votos, contra 17% nas legislativas de março de 2018.

No entanto, o Partido Democrático, de Nicola Zingaretti, assumiu na quarta-feira a possibilidade de formar uma maioria com o M5S para evitar eleições antecipadas.

Os dois partidos iniciaram já conversações, que se adivinham difíceis dadas as cinco condições prévias colocadas pelos socialistas: a “pertença leal” à União Europeia, o “pleno reconhecimento” da democracia representativa e da centralidade do parlamento, o desenvolvimento assente na sustentabilidade ambiental, uma mudança na gestão dos fluxos migratórios e uma viragem na política económica para aumentar o investimento.

Juntos, o PD e o M5S têm a maioria na Câmara dos Deputados (327 em 630).

Após a audiência desta quinta-feira com Mattarella, Nicola Zingaretti, afirmou que a ideia não é “um governo a qualquer preço”, mas “um governo de mudança, uma alternativa à direita, com um programa novo e sólido e uma maioria ampla e duradoura no parlamento”.

Em contrapartida, Salvini, que provocou o fim da coligação e apresentou uma moção de censura ao primeiro-ministro do governo que integra, Giuseppe Conte, afirmou aos jornalistas após a audiência com o Presidente que admite reconciliar-se com o 5 Estrelas, “sem rancores”.

“Se alguém dos que sempre disseram ‘não’ [ao M5S] agora diz que sim, então formemos uma equipa, tenhamos um objetivo, construamos, façamos coisas boas pelo país […] Não guardo rancor, olho para o futuro”, disse Salvini.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)