Rádio Observador

Governo Regional da Madeira

Madeira não “engorda o porquinho” com subsídios, diz vice-presidente do governo regional

Pedro Calado quer proporcionar ao setor privado as condições para um crescimento sustentável. "Uma sociedade que está assente na subsidiodependência não dura muito tempo", disse.

O governante falava na cerimónia de assinatura de um protocolo entre o Governo Regional da Madeira e a AICEP

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, disse esta quinta-feira que o objetivo do executivo “não é engordar o porquinho” através de uma política de subsidiodependência, mas proporcionar ao setor privado as condições para um crescimento sustentável.

“Uma sociedade que está assente na subsidiodependência não dura muito tempo e um modelo que se desenvolva em cima de subsídios também não dura muito tempo”, disse Pedro Calado.

O governante falava na cerimónia de assinatura de um protocolo entre a vice-presidência do Governo Regional da Madeira e a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal para identificação de potenciais áreas de interesse comum que lhes permita desenvolver projetos no domínio da internacionalização de empresas regionais e na atração de investimento externo para a região.

O vice-presidente reconheceu que uma política de subsidiodependência até pode ser positiva a curto prazo, “mas a médio e longo prazo há de vir o dia em que financeiramente não é possível sustentar mais a engorda do porquinho e o porquinho há de morrer porque não se desenvolveu”.

Para evitar esses cenários, Pedro Calado contrapôs, salientando que a opção do Governo Regional é “dinamizar o setor privado” através das condições proporcionadas pelo setor público para que “as empresas possam progredir”.

Referindo-se ao protocolo assinado esta quarta-feira, disse ser “simples” e “pouco mediático, mas que se perspetiva que tenha uma aplicabilidade muito grande”. Por seu lado, o presidente da AICEP, Luís Filipe Castro Henriques, enalteceu que o protocolo “permite concretizar o objetivo de ter procedimento regular, articulado e permanente a funcionar entre o Governo Regional e a Agência”, identificando potenciais missões conjuntas e segmentos de trabalho dirigidas às especificidades das empresas madeirenses.

Uma missão da AICEP encontra-se em visita de trabalho à Madeira até sexta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
271

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)