Rádio Observador

Investimento

Ministro da Defesa diz que compra dos KC-390 é investimento e não despesa

650

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, diz que a aeronave KC-390 é "a melhor do mercado" e argumentou que a compra de cinco destes aviões por Portugal é "um investimento".

Aconteceu esta quinta-feira a assinatura dos contratos relativos à aquisição de cinco aeronaves KC-390 e de um simulador de voo

ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, considerou esta quinta-feira a aeronave KC-390 “a melhor do mercado” e argumentou que a compra de cinco destes aviões por Portugal é “um investimento”, em vez de “uma simples despesa”.

A participação nacional na edificação e dinamização do programa do KC-390 revela bem a atual capacidade competitiva da indústria aeronáutica nacional, incluindo aquela que está instalada em Évora, e que garante um retorno económico, financeiro e de conhecimento” para Portugal, defendeu o ministro.

Segundo João Gomes Cravinho, que falava nas instalações da construtora aeronáutica brasileira Embraer em Évora, onde possui duas fábricas, “é por isso” que “o processo de aquisição do KC-390” por Portugal, “muito mais do que uma simples despesa, é um grande investimento para o país”.

O ministro da Defesa Nacional discursava na cerimónia, esta tarde, de assinatura dos contratos relativos à aquisição de cinco aeronaves KC-390 e de um simulador de voo, e respetiva sustentação logística, com as configurações e especificações técnicas, operacionais e logísticas definidas pela Força Aérea Portuguesa (FAP).

Na cerimónia, presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, João Gomes Cravinho frisou que “os 827 milhões que serão investidos nos próximos 12 anos incluem a aquisição das aeronaves, o simulador, os equipamentos, mas também os custos de manutenção, da aquisição de sistemas complementares ou ainda a construção e adaptação de infraestruturas necessárias à sua operação, a partir da Base Aérea n.º 6 no Montijo”.

Isto significa que futuros orçamentos não serão onerados com despesas necessárias, mas de difícil enquadramento, como aconteceu no caso de algumas das capacidades atualmente ao dispor da Força Aérea”, comparou.

Com o KC-390 da Embraer, que contou com participação nacional, “Portugal está a adquirir a melhor aeronave do mercado para os requisitos operacionais e logísticos específicos” do país, afiançou o ministro.

O ‘cluster’ aeronáutico português “representa já cerca de 1% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional” e o que se espera é que “possa vir a duplica num horizonte próximo”, assinalou o ministro.

“Esta indústria representa 3,3% das exportações nacionais” e regista “uma tendência crescente nos últimos 10 anos”, indicou ainda, argumentando que esta “grande competitividade nacional” se estende ao plano europeu, o que permite a Portugal “liderar projetos no âmbito da cooperação estruturada permanente da União Europeia nesta área”.

Com o KC-390, cuja primeira aeronave está prevista ser entregue a Portugal em 2023, as Forças Armadas portuguesas “ficam melhor equipadas” e “Portugal fica melhor equipado”.

Trata-se de uma aeronave “com alcance intercontinental” e com capacidade para executar diversas missões e operações “estratégicas, táticas, civis e militares”.

“Permitirá reforçar as atuais capacidades de transporte aéreo, busca e salvamento, evacuações sanitárias e de apoio a cidadãos nacionais, nomeadamente entre o continente e os arquipélagos ou na diáspora, entre outras missões”, indicou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)