Apesar de não ser a exposição que reúne os veículos mais antigos presentes no Museu do Caramulo, esta foi das mostras temporárias mais difíceis de organizar. Tudo porque a sofisticação dos modelos presentes, bem como a raridade de alguns, tornou moroso reunir as peças seleccionadas, de forma a exibir o que de melhor produziu a indústria automóvel nos últimos anos.

Um dos veículos que certamente vai atrair mais interesse por parte dos visitantes é o Ferrari LaFerrari – tanto mais que apenas existe uma unidade em Portugal –, um superdesportivo tão deslumbrante quanto rápido, que recorre a uma mecânica híbrida para atingir 963 cv, que lhe permitem acelerar até aos 349 km/h. Ainda com emblema da casa do Cavallino Rampante estará igualmente exposto um F40.

Numa altura em que a Bugatti apresenta novos modelos a um ritmo impressionante, e com preços a condizer, o Caramulo vai igualmente expor um belo EB110, o que modelo com que Romano Artioli tentou relançar a marca francesa, ainda antes de esta passar a ser propriedade do Grupo Volkswagen. O EB110, de que apenas foram produzidas 139 unidades, conta com um motor 3.5 V12, quatro turbocompressores e outras tantas rodas motrizes.

Mas todos estes superdesportivos devem especial deferência a um dos seus antepassados, o Lamborghini Miura, ou não fosse ele o primeiro supercarro da história do automóvel. A versão exibida nesta mostra é um P400 SV Miura, modelo que iniciou a produção em 1971. Presente igualmente, em representação da marca italiana está um moderno Aventador SV, substancialmente mais recente, mas com a mesma agressividade de linhas.

Os visitantes desta exposição temporária, organizada com o apoio da Câmara de Tondela, Fidelidade, BPI e Jornal dos Clássicos, podem ainda admirar dois Mercedes-Benz de sonho, o SLR e o AMG GT-R, além de um McLaren 675 LT MSO, um Porsche 911 GT2 RS e um Ford GT, precisamente quando se celebra o 40º aniversário do mítico Ford GT40.