Rádio Observador

Jogos

Edição socialista do jogo “Monopólio” gera críticas nos EUA

769

A Hasbro lançou uma paródia do famoso jogo de tabuleiro e gerou críticas por ter mais impostos, pagamento através de "biscoitos de tofu" em honra de Marx e um fundo comunitário que acaba rápido.

A versão socialista do jogo é uma paródia ao socialismo

“Ganhar é para capitalistas”. Este é o mote para a nova versão “socialista” do “Monopólio”, um dos jogo de tabuleiro mais conhecidos em todo o mundo. Depois de ter lançado versões que mudam ligeiramente as regras, como o “Monopólio Pokémon” ou o “Monopólio Bolsa”, a Hasbro, que detém os direitos do jogo, fez uma versão paródia — à semelhança do “Monopólio Millenials” — que brinca sobre como seriam aplicadas regras socialistas ao jogo original, e recebeu críticas.

Na base do jogo há um fundo comunitário que, como explica o o utilizador do Twitter Nick Kapur, paga sempre o que é preciso caso o jogador não tenha dinheiro. Problema? “O fundo comunitário está sempre a ficar sem dinheiro”, conta Kapur. Depois, para pagar impostos, quem paga é também este fundo comunitário, mas tem de dar o dinheiro ao banco.

À semelhança do Monopólio tradicional, ao completar cada volta ao tabuleiro do jogo, o jogador recebe dinheiro. Contudo, nesta versão chama-se “living wage” (ou “salário mínimo”) e tem um valor menor do que o valor da versão original porque “o socialismo faz toda a gente mais pobre”, refere o mesmo utilizador, citando as mensagens contidas nos cartões de jogo.

As regras dizem: “Podemos viver numa utopia socialista, mas isso não significa que a vida é perfeita. Tira um carta de sorte e experimenta o lado mau: temos problemas com os nossos vizinhos, os nossos projetos comuns podem correr mal, estamos constantemente a votar para agitar as coisas, e há sempre uma emergência que leva a recorrermos ao fundo comunitário”.

Algumas cartas que os jogadores podem receber deturpam o princípio do socialismo e brincam com conceitos atuais como as “preocupações ambientais”. Numa carta de sorte que o jogador pode receber, a boa notícia é: “Toda a gente gostou dos biscoitos de tofu que fizeste em honra do aniversário do Karl Marx”. Outra carta permite tirar dinheiro a outros jogadores porque “estão demasiado bem”.

Quem critica esta paródia do socialismo feita pela Hasbro, como o caso de Kapur, diz que esta “deturpa as teorias do socialismo”. O utilizador afirma mesmo que comprou a versão porque achava que era “pró-socialismo”. O próprio notou a ironia de a versão base do Monopólio não ser propriamente um hino ao capitalismo mas sim uma crítica — já que o objetivo é levar os outros jogadores à banca rota.

O senador Ted Cruz defende Hasbro: “Porque é que os académicos esquerdistas têm medo das falhas do socialismo”?

Com a Hasbro a ser criticada, houve também quem a defendesse. A figura mais proeminente foi o político e senador republicano Ted Cruz. No Twitter, o também antigo candidato presidencial escreveu várias mensagens a brincar com outras edições que podiam ser feitas: “Podíamos fazer a edição venezuelana: começamos (nos anos 50) com o índice per capita mais alto do mundo e acabamos nas ruas com falhas massivas de comida e medicamentos”.

O jogo estava à venda online, mas depois de ter ter estalado a polémica, foi retirado da página do retalhista Target, onde se encontrava disponível. A Hasbro ainda não prestou comentários.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)