Rádio Observador

Huawei

Huawei alerta para “sinal muito perigoso” dos Estados Unidos para indústria tecnológica

Huawei acusa os EUA de "tentarem manter o predomínio da indústria da tecnologia de ponta". "O mundo pode passar de um sistema ordenado e equilibrado para uma onda de incerteza", alerta a companhia.

Os Estados Unidos consideraram em maio que a Huawei constitui uma ameaça à segurança nacional

FAZRY ISMAIL/EPA

A companhia chinesa Huawei alertou esta sexta-feira para o “sinal muito perigoso” que a administração norte-americana está a dar ao mercado tecnológico, ao querer banir a empresa dos Estados Unidos, afirmando temer uma “onda de irracionalidade” após tais decisões.

“Os Estados Unidos anunciaram restrições à Huawei porque querem manter o predomínio da indústria da tecnologia de ponta”, porém, “se o mercado global continuar a permitir que os Estados Unidos façam o que querem, está a ser enviado um sinal muito perigoso” para os negócios mundiais, afirmou esta sexta-feira o representante da companhia chinesa para as instituições europeias, Abraham Liu, em Bruxelas.

Falando num debate no centro de cibersegurança da empresa na capital belga, Abraham Liu vincou que, caso as intenções da administração norte-americana avancem, “o mundo inteiro pode, gradualmente, passar de um sistema ordenado e equilibrado para uma onda de incerteza, irracionalidade e caos”.

Os Estados Unidos consideraram em maio que a Huawei constitui uma ameaça à segurança nacional e disseram que queriam banir o grupo do país, mas acabaram por conceder isenções temporárias a determinadas empresas norte-americanas que negoceiam com o grupo chinês, permitindo-lhes vender alguns produtos ou mudar de fornecedores.

Entretanto, a administração norte-americana prolongou por 90 dias as isenções que permitem ao grupo chinês de telecomunicações Huawei continuar a fazer negócios nos Estados Unidos, anunciou o secretário do Comércio, Wilbur Ross.

A Huawei exige, então, o fim destas anunciadas barreiras da administração norte-americana às compras feitas por empresas nos Estados Unidos à tecnológica, que deverão entrar em vigor, como agora se prevê, no final deste ano.

“Um mercado tem de ser composto de escolhas”, salientou Abraham Liu, no debate que decorreu esta sexta-feira em Bruxelas.

Aludindo às restrições, que abrangem nomeadamente o desenvolvimento das redes móveis de quinta geração (5G), o responsável da Huawei vincou que, “se apenas um jogador tem o direito de participar [no mercado], esse não é um procedimento justo”.

A cibersegurança também tem vindo a ser uma preocupação na União Europeia (UE), tendo já o executivo comunitário exigido aos Estados-membros que tomem medidas para garantir a segurança nas redes 5G, que podem passar, desde logo, por banir empresas que sejam problemáticas.

Desvalorizando esta possibilidade no caso da Huawei, Abraham Liu falou num reforço da cooperação entre a companhia chinesa e governos, operadoras e empresas na UE, tendo em vista a “construção de um ecossistema digital próspero”, nomeadamente no que toca ao 5G.

Criada em 1987, a Huawei opera em 170 países e regiões do mundo, tendo um total de 180 mil funcionários, 13 mil dos quais na Europa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)