Rádio Observador

Família Real Britânica

Jato privado? Não, William e Kate viajaram com a família em “low cost”

152

Os duques de Cambridge e a família viajaram esta quinta-feira para a Escócia, num voo "low cost", poucos dias depois de as deslocações de Harry e Meghan em jato privado terem gerado polémica.

William e Kate foram para a Escócia com os filhos e viajaram numa companhia "low cost"

Getty Images

Menos de uma semana depois de os duques de Sussex terem sido criticados pelas deslocações em jato privado — a Ibiza e depois a Nice, no sul de França –, William e Kate voaram até à Escócia, com os três filhos, a bordo de um voo comercial da FlyBe, uma companhia low cost, na passada quinta-feira. O avião descolou de Norwich, Inglaterra, pelas 8h45 e aterrou em Aberdeen, levando a querer que a família, que inclui crianças de 6, 4 e 1 ano, se deslocou para visitar a Rainha e o príncipe Philip no Castelo de Balmoral, uma espécie de residência estival da realeza. O preço da viagem, por passageiro, terá rondado as 73 libras, o equivalente a 80 euros.

“A família estava sentada mesmo na frente. Eu fiz o voo completo e nenhum de nós fazia ideia. Ninguém sabia que eles estavam no avião. Mais tarde é que reparei que a mãe da Kate estava sentada umas filas atrás de mim”, partilhou um passageiro do voo com o Daily Mail. As fotografias e o vídeo publicados pelo Daily Mail mostram o desembarque dos duques de Cambridge já em solo escocês. William foi à frente, carregando pequenas malas de cabine, com George e Charlotte, os dois filhos mais velhos. Kate seguiu mais atrás com Louis ao colo e acompanhada pela ama, Maria Borrallo. A família tinha dois Range Rovers pretos à sua espera no terminal.

Encontrar membros da família real britânica em voos comerciais não propriamente algo que aconteça todos os dias, mas o que aconteceu esta quinta-feira também está longe de ser inédito. Em viagens oficiais, é comum ver a realeza deslocar-se em aviões privados, mas quando o âmbito é pessoal, é recorrente que a escolha recaia sobre uma solução mais económica. Diana fê-lo várias vezes, William já havia sido visto no voo comercial em 2014 e Kate terá sido vista a viajar numa companhia low cost, após o casamento de Zara Tindall, em julho de 2011.

Mas ao contrário dos momentos anteriores, este seguiu-se a uma polémica que envolve Harry e Meghan Markle. Há muito que o casal se associa a causas ambientais, o que só tornou mais controversa a opção de se deslocar num jato privado durante as férias. Além de uma despesa consideravelmente maior, o impacto no ambiente também se agrava, uma vez que falamos de uma única aeronave para transportar um agregado familiar de três pessoas. Hipocrisia foi uma das expressões mais usadas nas redes sociais.

Agora, com a viagem dos duques de Cambridge, as opiniões dividem-se. Há quem enalteça a opção do casal e a defenda como exemplo a seguir, sobretudo para os duques de Sussex. Mas há também quem condene a escolha do timing para a viagem, afirmando que terá sido pensada para inflamar a polémica em torno das viagens de Harry e Meghan.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)