Rádio Observador

Estados Unidos da América

Morreu o bilionário norte-americano David Koch aos 79 anos

Um dos mais influentes bilionários dos EUA, David Koch morreu esta sexta-feira aos 79 anos vítima de doença prolongada. "Nunca será esquecido", lamentou o irmão.

Jamie McCarthy/Getty Images

O ícone conservador e bilionário David Koch morreu esta sexta-feira aos 79 anos, avançou a CBS News, que cita uma fonte próxima à família. Residente em Nova Iorque, o magnata tinha sofrido “uma deterioração do seu estado de saúde” no verão passado, altura em que o seu irmão mais velho, Charles Koch, com quem celebrizou a dupla de empresários Koch brothers, enviou uma carta aos funcionários do grupo Koch Industries no verão passado.

“Estamos profundamente entristecidos com esta situação, sentimos falta das perguntas perspicazes de David e de suas muitas contribuições para a Koch Industries”, podia ler-se na missiva. Foi na sequência desta deterioração do estado de saúde que David Koch faleceu esta sexta-feria.

Charles Koch já reagiu à morte do irmão através duma breve declaração, citada pela CBS News, onde diz que “Sentirei muita a sua falta, nunca será esquecido“, disse.

“Quem trabalhou com David [Koch] certamente experimentou um pouco da sua personalidade gigante e da sua paixão pela vida. Há 27 anos, David foi diagnosticado com cancro de próstata avançado e teve um prognóstico sombrio, que lhe reservava apenas alguns anos de vida. David gostava de dizer que uma combinação de brilhante médicos, medicamentos de última geração e a sua própria teimosia mantiveram o cancro à distância. Todos nós podemos estar gratos por isso, porque ele foi capaz de tocar muitas outras vidas como resposta“, recordou ainda Charles Koch.

Recentemente, David Koch tinha deixado a rede de negócios e atividades políticas dos irmãos. Há muito envolvidos no apoio ao Partido Republicano, e muito criticados pelos democratas pela enorme influência que exerciam sobre a política dos conservadores, os irmãos Koch nunca esconderam o seu poder político junto do partido e dos seus representantes.

Na última corrida presidencial, entre Donald Trump e Hillary Clinton, os irmão Koch, pela primeira vez em muitas décadas, decidiram não financiar nenhuma das campanhas. Apesar de ter concorrido vice-presidente dos Estados Unidos em 1980 pelo Partido Libertário americano, David Koch estava menos envolvido na política do que seu irmão. Nos último anos era mais reconhecido pela sua filantropia e pelo seu apoio à educação e às artes, particularmente ao ballet. Uma das maiores doações nessa área foi os 100 milhões dólares que doou para reformar o New York State Theatre no Lincoln Center, em 2008.

Outra das suas batalhas era o combate ao cancro, uma luta que lhe era muito cara devido à sua experiência pessoal. David Koch doou milhões de dólares para apoiar vários hospitais que apostam no combate ao cancro.

A Koch Industries é uma das multinacionais mais influentes dos Estados Unidos, estando envolvida em diversas áreas de negócio como o petróleo, a energia, a refinaria, os minerais e celulose, por exemplo. Rendeu muitos milhões aos irmãos Koch, que o usaram para ganhar poder na sombra do poder republicano e influenciar as políticas norte-americanas através dos conservadores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)