Depois de 14 dias a aguardar no Mediterrâneo, o Ocean Viking vai poder desembarcar na ilha de Malta. A confirmação foi dada pela organização Médicos Sem Fronteiras através da sua página oficial no Twitter, que já esta sexta-feira tinha alertado para o facto de o barco com 356 migrantes a bordo estar a ficar sem mantimentos e sem recursos para aguentar mais dias no mar.

Os Médicos Sem Fronteiras aproveitam a mesma publicação em que confirmam que vão poder desembarcar em Malta para pedir um “mecanismo de desembarque” adequado, louvando os países da União Europeia que já se disponibilizaram para acolher alguns dos 356 migrantes, na sua maioria menores de idade. Entre eles está Portugal, que na quinta-feira, demonstrou disponibilidade para acolher até 35 migrantes do Ocean Viking.

Portugal, França, Alemanha, Roménia e Luxemburgo são os países que manifestaram até agora disponibilidade para receber algumas das pessoas deste grupo, num gesto de solidariedade humanitária e de desejo comum de fornecer soluções europeias para a questão da migração e das tragédias humanas que se verificam no Mediterrâneo”, revelaram os ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Administração Interna do Governo num comunicado conjunto. A este lote de cinco países juntou-se esta sexta-feira a Irlanda.

Serão estes os seis países que vão acolher os migrantes, provenientes, na sua maioria, do Sudão, como confirmou já esta sexta-feira o primeiro-ministro maltês nas redes sociais. “Depois de discussões na Comissão Europeia e com alguns estados-membros, como França ou Alemanha, Malta aceitou ser parte da solução para o Ocean Viking”, escreveu Joseph Muscat no Twitter.

Num segundo tweet, o primeiro-ministro de Malta explica o processo pelo qual vão passar os migrantes a bordo do Ocean Viking até serem acolhidos: “Malta vai transferir essas [356] pessoas para embarcações das forças armadas maltesas que as transportarão para terra firme, fora de território maltês. Todos os migrantes serão recolocados noutros estados membros: França, Alemanha, Irelanda, Luxemburgo, Portugal e Roménia. Nenhum permanecerá em Malta”, escreveu Joseph Muscat, sem especificar quantos migrantes irá receber cada um desses países.

Inicialmente, Malta recusou acolher os migrantes do Ocean Viking e negou o seu desembarque. Itália, por seu lado, deixou sem resposta todos os pedidos efetuados por esta embarcação dos Médicos Sem Fronteiras. A solução foi encontrada 14 depois do resgate destes 356 migrantes.