Rádio Observador

Tesla

Tesla perde 5 milhões em vendas a empresa alemã

A Tesla tinha contratado a entrega de mais 85 unidades do Model 3 a uma empresa alemã de rent-a-car, mas o negócio foi suspenso. A justificação foi excesso de defeitos e lentidão nas reparações.

Autor
  • Observador

Nextmove é um empresa alemã dedicada ao rent-a-car apenas de veículos eléctricos. Encomendou 100 unidades do Model 3 à Tesla no final de 2018, para reforçar a sua frota de carros a bateria, tendo recebido as primeiras 15 unidades no início do ano. E foi aí que começaram os problemas, com a empresa de aluguer de automóveis a constatar que algumas unidades tinham defeitos que considerou “sérios”, os quais iriam de pneus defeituosos a riscos na pintura, além de deficiências no sistema de carga e ausência de eCall, obrigatório no mercado europeu.

Além de querer os veículos rapidamente recuperados, para não prejudicar o negócio, a Nextmove exigiu ainda à Tesla a garantia que nada disso aconteceria nos restantes 85 Model 3 que iria receber, como aliás é obrigação de qualquer construtor. Tendo em conta que esta é uma exigência normal, a Nextmove diz-se surpreendida por ter recebido como resposta do construtor norte-americano a anulação da encomenda dos 85 Model 3 que ainda faltava entregar, com um valor total próximo de 5 milhões de dólares (4,5 milhões de euros). Algo que a Tesla desmente, afirmando precisamente o contrário, ou seja, que foi a empresa de aluguer quem anulou o resto da encomenda.

“Como empresa de rent-a-car, temos de garantir aos nossos clientes veículos sem defeitos e apesar de considerarmos o Model 3 o melhor carro eléctrico actualmente no mercado, a verdade é que para o ano vão surgir outros fabricantes com veículos eléctricos competitivos, mais eficazes no serviço pós-venda”, declarou o director da empresa de aluguer, Stefan Moeller. Até há bem pouco tempo a empresa era grande defensora dos Tesla, tendo utilizado os seus veículos eléctricos como âncora promocional, como se vê na galeria.

Aos comentários da Nextmove, a Tesla respondeu: “A qualidade dos nossos veículos entregues na Alemanha, ou em qualquer outro país, está ao melhor nível de sempre, ainda que seja possível existir uma percentagem mínima de veículos danificados no transporte, como acontece com qualquer outro construtor. Por isso mesmo, temos reforçado o Serviço Móvel de Assistência, que usufrui hoje de mais 50% de veículos, bem como incrementado a capacidade dos serviços de assistência.”

Em relação à anulação da encomenda, a Tesla recorda que a confiança que tem nos seus veículos é tão grande que faz dela o único fabricante que “permite a devolução do veículo, com a restituição integral da quantia paga, até sete dias depois da entrega, caso o cliente não esteja satisfeito”.

Não sabemos quem tem razão neste diferendo, sendo conhecidas as dificuldades que rodearam o lançamento do Model 3 na Europa. Com a falta de unidades que ainda há na Europa, a Tesla pode ter preferido deslocar os 85 carros para outros clientes, eventualmente desconfiando dos motivos da Nextmove. Certo é que vêm aí mais e melhores veículos eléctricos e se a Tesla ainda beneficia de várias vantagens face à concorrência, tem de continuar a fazer evoluir o serviço de assistência (nos centros e o móvel), tarefa que pode ser dificultada pelo crescimento das vendas a ritmo acelerado. Veja aqui o vídeo da Nextmove em resposta à reacção da Tesla:

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)