Grupos de jovens saem este sábado à rua em várias províncias de Angola para protestar contra o “elevado nível de desemprego” e exigir ao presidente angolano, João Lourenço, que cumpra a promessa eleitoral de criar 500 mil empregos.

Segundo a organização, além de Luanda, capital angolana, a marcha contra o desemprego, agendada para a manhã de deste sábado vai decorrer igualmente nas províncias de Malanje, Bengo, Cuanza Norte, Lunda Norte, Uíje e Benguela.

O objetivo é relembrar os 500 mil empregos que o titular do poder executivo, João Lourenço, prometeu aquando da sua campanha eleitoral, em 2017, e estamos na terceira edição da marcha contra o índice elevado de desemprego no nosso país”, disse à Lusa Donito Carlos, membro da organização.

Em 22 de julho de 2017, em plena campanha eleitoral para as eleições gerais de agosto, em Angola, João Lourenço, atual chefe de Estado, prometeu que, numa só legislatura, iria conseguir criar pelo menos meio milhão de empregos e reduzir um quinto à taxa de desemprego de 28,8%, segundo os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), referentes a 2018.

Donito Carlos considera “legítima” a exigência dos jovens sobre o cumprimento da promessa eleitoral de João Lourenço.

Como sabemos em Angola há um índice elevado desemprego e queremos fazer lembrar aos gestores públicos que o emprego é importante para a vida das pessoas e que o desemprego marginaliza”, justificou.

A marcha contra o elevado nível de desemprego em Angola, agendada para este sábado será a terceira, sendo que em 2018 os jovens saíram à rua por duas vezes com o mesmo propósito.

O Presidente angolano, em abril deste ano, aprovou em decreto o Plano de Ação para Promoção da Empregabilidade (PAPE) que disponibiliza 21mil milhões de kuanzas (51,7 milhões de euros) para promover o emprego, que “deverão ser criados e absorvidos pelo setor produtivo da economia”, para dar cumprimento à promessa feita em 2017.

A verba do PAPE será proveniente do Orçamento Geral do Estado (OGE) e do Fundo de Petróleo.

Para o primeiro ano de execução do PAPE, o Governo angolano estimou um custo superior a 7.600 milhões de kwanzas, estando igualmente prevista a possibilidade de outros financiamentos alheios ao OGE e ao Fundo do Petróleo.