Rádio Observador

Futebol

O Liverpool recebeu o Arsenal, conseguiu o resultado habitual graças ao carrasco do costume e está na liderança da Premier League

Pelo nono jogo seguido, o Arsenal não conseguiu vencer o Liverpool, que subiu ao topo da Premier (3-1). Salah, que bisou, é o carrasco dos londrinos: marca ou assiste sempre que joga com os gunners.

O avançado egípcio marcou duas vezes nos primeiros 20 minutos da segunda parte e resolveu o jogo

Liverpool FC via Getty Images

Ainda que a Premier League, tal como a liga portuguesa, só esteja este fim de semana a assistir à terceira jornada da temporada que agora começou, este sábado tinha desde já um jogo que podia decidir quem assumia de forma isolada a liderança da classificação. Liverpool e Arsenal, as únicas duas equipas que venceram os dois primeiros jogos em Inglaterra — depois de o Manchester United ter empatado na segunda-feira com o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo, falhando a subida ao topo da tabela em ex aequo com reds e gunners –, encontravam-se em Anfield e uma vitória significaria, para uns e para outros, o assumir da posição de líder da Premier League.

O Liverpool de Jurgen Klopp, que na temporada passada ficou a um ponto do campeão Manchester City, bateu Norwich e Southampton nas duas primeiras semanas da Premier League; o Arsenal de Unai Emery, que na época anterior não conseguiu mais do que um quinto lugar, ganhou ao Newcastle e ao Burnley no duplo compromisso inicial. Era o encontro entre duas equipas com estratégias muito diferentes na abordagem ao mercado de verão: se os reds pouco ou nenhum investimento fizeram e também não viram nenhum jogador importante deixar Anfield, os gunners contrataram Pépé, Tierney e David Luiz e ainda garantiram o empréstimo de Ceballos e perderam Ramsey, Koscielny e Iwobi. Mais do que isso, era o encontro entre uma equipa que foi campeã europeia e ficou muito perto de ganhar a liga inglesa e uma equipa que olha para a temporada que agora começou como um novo capítulo que pode ser o início do recuperar da glória que há já algum tempo não se vê no Emirates.

Nos onzes iniciais, se o Liverpool atuava com a equipa tipo e sem grandes surpresas — depois de optar por Joe Gomez para a direita da defesa na jornada inaugural, Klopp manteve Trent Alexander-Arnold da vitória perante o Southampton para o jogo deste sábado –, Unai Emery desfazia a dupla Aubameyang/Lacazette na frente de ataque do Arsenal e colocava Pépé ao lado do avançado gabonês, com Ceballos a apoiar os dois homens mais adiantados. O clube londrino entrava em campo para, além de conquistar os três pontos, além de conquistar a vitória, além de conquistar a liderança da tabela, travar uma série de oito jogos consecutivos sem vencer o Liverpool. Para isso, era necessário não sofrer golos. E foi precisamente isso que o Arsenal não conseguiu evitar.

Numa altura em que as duas equipas já pensavam no intervalo, Matip respondeu de cabeça a um pontapé de canto batido por Alexander-Arnold e colocou o conjunto orientado por Jurgen Klopp a vencer (41′). O golo do central camaronês valeu, mais do que a vantagem, garantiu ao jovem lateral direito a nona assistência nos últimos dez jogos que disputou em Anfield, incluindo uma em cada uma das cinco partidas mais recentes. No final da primeira parte, adivinhava-se que Emery estivesse a estudar a entrada de Lacazette, para ir atrás do resultado, e que Klopp apostasse em chegar rápido ao segundo golo para não abrir espaço a um eventual empate. Pelo meio, Nicolás Pépé tornou-se o primeiro jogador a driblar Virgil Van Dijk em 50 semanas de Premier League, já que nenhum adversário tinha passado pelo central holandês desde março de 2018.

Aubameyang não teve o habitual colega do lado, Lacazette, dentro de campo e não conseguiu fazer a diferença

Na segunda parte, o Liverpool avolumou a vantagem quando ainda muitos adeptos voltavam aos respetivos lugares em Anfield: aos 48 minutos, quando ainda mal estavam cumpridos três minutos do segundo tempo, David Luiz cometeu grande penalidade sobre Salah e foi o próprio egípcio que converteu o penálti, com um grande remate praticamente indefensável para Leno. Com o Arsenal a ter muitas dificuldades em entrar com qualidade e com a bola controlada no último terço do terreno do Liverpool — Ceballos não conseguiu fazer a diferença, Aubameyang parecia estar sempre à procura de Lacazette (que só entrou a dez minutos do apito final) e Pépé não aproveitou uma grande oportunidade que teve na primeira parte e acabou por ser bem neutralizado por Van Dijk –, Salah lançou-se em corrida pela direita, fletiu para a faixa central e atirou em arco, rasteiro, para fazer o terceiro da tarde em Anfield (58′). Em pouco mais de 15 minutos, o avançado egípcio tinha resolvido praticamente sozinho uma sempre complicada receção ao Arsenal. O conjunto orientado por Unai Emery ainda reduziu a desvantagem, a cinco minutos do apito final e por intermédio de Torreira (85′), mas era demasiado tarde para procurar o empate.

Nada que seja propriamente estranho: além de este ser já o nono jogo consecutivo em que o Arsenal perde ou empata com o Liverpool, Mohamed Salah esteve envolvido em sete golos nos seis jogos que fez contra os gunners e marcou nas quatro vezes que os reds receberam a equipa londrina. Com a vitória deste sábado, o Liverpool assumiu desde já a liderança da Premier League, com mais dois pontos do que o Manchester City e mais três do que o Arsenal (beneficiando ainda da derrota já este sábado do Manchester United, perante o Crystal Palace), e voltou a deixar claro que é o principal rival do conjunto orientado por Pep Guardiola na luta pelo título nacional. Do outro lado, o Arsenal teve uma espécie de choque de realidade, depois de duas semanas em que os adeptos dos gunners acreditaram na possibilidade de lutar pelo primeiro lugar, e tem de assimilar e trabalhar sobre o facto inequívoco de que ainda está vários furos abaixo de Liverpool e Manchester City.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)