A Honda está a conceber um novo tipo de airbag, mais precisamente o seu gabinete de Investigação de Desenvolvimento nos EUA, localizado em Ohio, em colaboração com o fornecedor Autoliv. E o trabalho está em fase final de ensaios para validação, uma vez que o inovador sistema de protecção em caso de acidente deverá ser introduzido no mercado já para o ano, na versão do Honda Civic que estará à venda em 2020.

Os airbags são fundamentais na redução dos danos provocados pelos embates, sejam eles frontais ou laterais, por reduzirem os esforços a que são sujeitos a coluna, e especificamente o pescoço, durante uma desaceleração muito violenta, como tradicionalmente acontece durante um embate frontal. Ou seja, é o cinto que salva a vida do ocupante, mantendo-o no seu lugar, mas o airbag suaviza a desaceleração da cabeça, muito pesada face ao seu tamanho e volume, reduzindo ainda o esforço aplicado pelo cinto no esterno e nas clavículas.

A nova almofada de ar destina-se a acolher de forma mais eficaz a cabeça do passageiro sentado ao lado do condutor, melhorando a sua protecção em colisões frontais, mas sobretudo naqueles acidentes em que o veículo embate noutro, ou numa árvore ou poste, ligeiramente na oblíqua. Nesta condições, é difícil garantir que a cabeça do ocupante embata bem no centro do airbag, limitando a sua eficácia, o que não acontece com o novo sistema de Honda.

O truque está no facto de, ao contrário dos airbags convencionais, que possuem apenas um compartimento de ar, o novo airbag recorrer a quatro compartimentos distintos, dois laterais e um central, completados por um quarto que funciona como uma rede para acomodar a cabeça do passageiro. Diz a Honda que, desta forma, a cabeça está exposta a uma desaceleração menor, reduzindo os danos cervicais e conseguindo fixar correctamente o passageiro, mesmo quando o embate é ¾ de frente.