Rádio Observador

Hezbollah

Líder do Hezbollah critica ataque israelita contra o seu feudo na capital do Líbano

O líder do Hezbollah libanês, Hassan Nasrallah, criticou este domingo um ataque com 'drones' israelitas a um "alvo" no feudo do movimento xiita em Beirute.

AL-MANAR TV GRAB HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O líder do Hezbollah libanês, Hassan Nasrallah, criticou este domingo um ataque com ‘drones’ israelitas a um “alvo” no feudo do movimento xiita em Beirute, assegurando que a formação fará “tudo” para evitar que tais ataques se repitam.

Nasrallah considerou que o ataque marca o início de uma nova fase “muito perigosa para o Líbano” na qual Israel utilizará aviões não tripulados armados “a cada dois, três dias”, assegurando que o seu movimento irá “fazer tudo para o impedir”.

Um porta-voz do Hezbollah, Mohammed Afif, tinha anunciado este domingo que dois ‘drones’ israelitas caíram na capital do Líbano, sem que o grupo tivesse disparado sobre eles.

Um deles terá caído no telhado de um prédio que abriga o gabinete de comunicação do Hezbollah, no bairro de Moawwad, em Dahyeh, o baluarte do grupo na parte sul de Beirute, segundo Afif, que adiantou que Nasrallah daria ainda hoje uma resposta “apropriada” numa declaração televisiva.

O líder do Hezbollah afirmou também que bombardeamentos israelitas na noite de sábado para este domingo perto da capital da Síria, Damasco, visaram uma posição do seu movimento que combate ao lado do regime de Bashar al-Assad, apoiado também pelo Irão e pela Rússia.

“Só havia jovens libaneses do Hezbollah no local que foi bombardeado”, disse Nasrallah, refutando declarações israelitas de que o alvo era a força iraniana al-Qods, a unidade de elite dos Guardiões da Revolução.

O exército israelita anunciou na noite de sábado bombardeamentos na Síria contra alvos iranianos, que segundo uma organização não-governamental (ONG) causaram três mortos, mas Teerão desmentiu este domingo qualquer ataque às suas forças.

Um porta-voz do exército de Israel, Jonathan Conricus, disse que o ataque aéreo israelita ocorreu em Aqraba, a sudeste de Damasco, e visou “vários alvos terroristas e instalações militares da força al-Qods, assim como a milícias xiitas”.

Alguns minutos mais tarde, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, saudou uma “grande ação operacional” para frustrar o ataque contra Israel planeado pela “força iraniana al-Qods e as milícias xiitas”.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, dois combatentes do Hezbollah e um iraniano foram mortos em bombardeamentos israelitas nos arredores da capital síria.

“Israel e a América não têm o poder de atacar diferentes centros iranianos” e os “centros de aconselhamento” militar “que temos [na Síria] não foram atingidos”, disse Mohsen Rezaie, antigo elemento da força al-Qods, hoje secretário do Conselho de Discernimento, órgão de controlo do sistema político iraniano, citado pela agência Ilna.

Israel realizou inúmeros ataques nos últimos anos contra o Hezbollah e alvos iranianos na Síria.

O último grande confronto entre o Hezbollah e Israel data de 2006, quando 33 dias de guerra fizeram 1.200 mortos do lado libanês e 160 do lado israelita.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)