Rádio Observador

Futebol

Mais um, mais dois: Agüero bisa e garante vitória do Man. City frente ao Bournemouth

O argentino abriu as contas, viu Sterling aumentar a vantagem e ainda foi a tempo de resolver a partida (1-3). O Man. City bateu o Bournemouth num jogo que ainda teve um grande golo da equipa da casa.

O avançado argentino bisou e garantiu a vitória da equipa de Guardiola

Offside via Getty Images

Depois de escorregar na segunda jornada da Premier League, ao permitir um empate no Etihad ao Tottenham e deixar escapar Liverpool e Arsenal para a liderança da tabela, o Manchester City não podia pedir adversário melhor para iniciar o mini período de retoma necessário para voltar a somar vitórias na liga inglesa. O Bournemouth, que este domingo recebia a equipa de Guardiola, perdeu sempre com o City na Premier e sofreu um total de 25 golos, marcando apenas três.

Ainda assim, e sem arriscar, Guardiola colocava em campo aquele que é naturalmente o onze tipo dos citizens: com Zinchenko e Kyle Walker nas laterais das defesas, Otamendi e Laporte enquanto dupla de centrais, Gündoğan, De Bruyne e Silva no trio do meio-campo e Bernardo e Sterling, um em cada corredor, no apoio direto a Agüero. João Cancelo, que começava no banco de suplentes, entrou nos instantes finais e acabou por estrear-se na Premier League.

De forma natural, o Manchester City assumiu os desígnios da partida desde o apito inicial, colocando a linha inicial de construção praticamente no meio-campo e catapultando as transições para a frente sempre através de De Bruyne, que depois lateralizava para Bernardo ou Sterling à procura de espaço. Tanto o português como o inglês, ainda que sempre com mais preponderância no caso de Bernardo, buscavam jogo interior ao aparecer entre linhas e surgiam muitas vezes dentro da grande área, ao lado de Agüero, para responder aos cruzamentos de Zinchenko ou Walker, que subiam muitas vezes ao longo de todo o corredor.

Foi assim que o Manchester City acabou por conseguir chegar ao primeiro golo — após uma primeira enorme oportunidade para Bernardo, em que o português atirou ao lado — com Zinchenko a percorrer pela ala esquerda para depois cruzar rasteiro e atrasado para De Bruyne. O médio belga tentou rematar mas acabou por acertar nas orelhas da bola, assistindo sem querer Agüero, que atirou um quase penálti para o fundo da baliza do Bournemouth (15′). O golo acordou ligeiramente a equipa de Eddie Howe, que atuava com três centrais e muito recuada no terreno mas passou a apostar em King e Fraser a partir do momento em que ficou em desvantagem, procurando depois Wilson na frente.

Já depois de o lateral Charlie Daniels se lesionar gravemente — terá magoado um joelho, totalmente sozinho, enquanto fazia um cruzamento –, o Bournemouth ficou muito perto do golo graças a um erro de Otamendi: no seguimento de um cruzamento para o primeiro poste a partir da direita, o central ex-FC Porto recebeu no peito e deixou a bola à mercê de Adam Smith, que na cara de Ederson atirou muito por cima (39′). E no futebol inglês, tal como em todos os outros, quem não marca sofre: instantes depois, Bernardo construiu um lance a partir da direita, colocou em David Silva à entrada da grande área e o médio espanhol colocou a bola entre o central e o lateral, onde apareceu Sterling, que rematou de bico para aumentar a vantagem depois de uma receção que até deixou muito a desejar (43′).

Antes do intervalo, o jovem Harry Wilson — que está emprestado pelo Liverpool ao Bournemouth e entrou para substituir o lesionado Daniels — assinou um livre direto de belo efeito, com o pé esquerdo, reduzindo a desvantagem dos cherries nos instantes finais da primeira parte (45+3′). Na ida para os balneários, o golo de Wilson colocava alguma justiça no resultado, já que o Manchester City dominou durante grande parte do primeiro tempo mas permitiu uma subida no terreno por parte do Bournemouth mesmo antes do intervalo: o conjunto de Eddie Howe, que procurava então o primeiro resultado com os citizens que não fosse uma derrota, causou muitos problemas a Otamendi e Laporte e Guardiola precisava de fazer alguns ajustes antes do segundo tempo para não correr o risco de sofrer golpes inesperados.

O jovem de 22 anos tornou-se o jogador dos quatro principais escalões do futebol inglês a marcar mais golos de fora de área (11)

As duas equipas estiveram perto de marcar ao longo de dez minutos frenéticos no início da segunda parte, com Callum Wilson a permitir uma grande defesa a Ederson quando estava na cara do brasileiro (52′) e De Bruyne a rematar ao lado depois um entendimento fantástico com Agüero (53′). O Manchester City ficou a pedir uma grande penalidade sobre Silva, que foi derrubado no interior da grande área — depois de analisar o lance, o VAR decidiu que não tinha havido falta –, mas chegou ao terceiro golo que praticamente decidiu as contas pouco depois. Em mais uma incursão de David Silva a partir da esquerda e para dentro da grande área, Agüero acabou por beneficiar uma bola que o espanhol deixou redondinha à entrada da pequena área para fuzilar Ramsdale (64′).

O terceiro golo acabou por provocar uma quebra de rendimento por parte de Bournemouth, que sentiu que a busca pela inédita vitória tinha acabado de se tornar quase impossível, e Guardiola soube fazer entrar Rodri para o lugar de Gündoğan para segurar o meio-campo e controlar as operações com bola, não permitindo grandes aventuras por parte do conjunto orientado por Eddie Howe. No final, o Manchester City impôs a primeira derrota da temporada ao Bournemouth e somou sete pontos, mais do um que o Arsenal e menos dois do que o líder Liverpool. Em dia de estreia de Cancelo, que jogou os primeiros escassos minutos na Premier League, Sergio Agüero voltou a ser protagonista e garantiu a continuação daquele que é o único caso, entre as equipas que estão atualmente na Premier League, em que uma perdeu sempre com a outra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)