Rádio Observador

Miguel Oliveira

Miguel Oliveira cai, abandona GP da Grã-Bretanha e termina série de 35 corridas sem desistir

194

O português da KTM saiu de 15.º e estava a lutar para entrar nos dez primeiros quando foi abalroado por outro piloto. Miguel Oliveira termina assim uma série de 35 corridas sem desistir.

O piloto português saiu da 15.ª posição da grelha

Getty Images

Depois de conquistar a melhor classificação desde que chegou ao Moto GP há duas semanas, quando ficou em oitavo no Grande Prémio da Áustria, Miguel Oliveira chegava ao GP da Grã-Bretanha com a ideia de que era possível não só ficar dentro dos pontos como lutar de forma razoável e natural por um espaço entre os dez primeiros. Para isto, mais do que o resultado da última prova, contribuía o fim de semana de qualificação para a corrida britânica, que teve laivos de brilhantismo e acabou com uma desilusão.

Na primeira sessão da qualificação, Miguel Oliveira foi o piloto mais rápido da KTM e registou mesmo o oitavo melhor tempo — adivinhando-se, desde logo, uma presença história do português nas primeiras linhas da grelha de Silverstone. Contudo, e depois de ser logo um segundo mais lento na segunda sessão, o piloto natural de Almada acabou por não conseguir mais do que o 15.º melhor tempo de todo o pelotão, saindo da quinta linha do grid na Grã-Bretanha. Lá à frente, Marc Márquez conquistou mais uma pole position, Valentino Rossi foi o segundo mais rápido e Jack Miller fechou a primeira linha da grelha.

Logo na primeira curva, depois de um bom arranque de Marc Márquez, Fabio Quartararo perdeu o controlo da mota e provocou a queda de Dovizioso, que seguia um pouco atrás — os dois pilotos saíram a alta velocidade pela escapatória e caíram de forma violenta, com a Ducati do italiano a incendiar-se por alguns segundos. Quartararo levantou-se pouco depois do acidente mas Dovizioso ficou no chão, praticamente imóvel, e estipulou-se durante algum tempo que o mais provável seria aparecer a bandeira vermelha, que adiaria a corrida. Ainda assim, os comissários e os bombeiros presentes em pista acabaram por retirar o piloto de maca de forma rápida e o Grande Prémio prosseguiu. Quartararo e Dovizioso abandonaram a prova de imediato, o francês saiu de pista pelo próprio pé e o italiano foi transportado para o centro médico do circuito para ser avaliado.

Na corrida, Miguel Oliveira arrancou muito bem e chegou ao 12.º lugar em poucas voltas. Mais à frente, Márquez agarrou a liderança e viu Rossi perder o segundo lugar para Álex Rins, que não dava muito espaço ao espanhol. Numa altura em que estava totalmente envolvido numa luta pelo nono lugar que pertencia a Petrucci — estava apenas dois centésimos mais lento do que o italiano e mais um do que Pol Espargaró, que era décimo –, Oliveira foi totalmente abalroado por Johann Zarco, da Yamaha Tech 3. O piloto português ficou sentado no chão depois de cair e depressa se percebeu que não voltaria à pista: terminando uma série absolutamente impressionante de 35 corridas consecutivas sem abandonar, num percurso que começou no Moto 2 e se estendeu para o Moto GP. Segundo a Sport TV, instantes depois da prova acabar, o piloto português está bem e não sofreu qualquer lesão.

Na decisões, Marc Márquez permitiu a ultrapassagem de Álex Rins em mais do que uma ocasião mas entrou para a última curva na liderança: na reta da meta, tal como tinha acontecido com Dovizioso na Áustria, o piloto espanhol perdeu na velocidade de ponta e acabou por deixar escapar o primeiro lugar para Rins. Em terceiro, Maverick Viñaçes foi mais forte do que Valentino Rossi e fechou o pódio. Mesmo sem a vitória, a verdade é que Marc Márquez tem praticamente assegurado o quarto título mundial consecutivo de Moto GP: ainda que matematicamente seja possível que Andrea Dovizioso alcance o piloto da Honda no topo da tabela, a verdade é que Márquez já entrou para este GP da Grã-Bretanha com 58 pontos de diferença e dilatou essa vantagem não só ao ficar em segundo como beneficiando da desistência do italiano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)