Desta vez, é mesmo oficial: o Eintracht Frankfurt anunciou nas redes sociais a contratação de Bas Dost ao Sporting. O avançado holandês assinou por três temporadas, até junho de 2022, e disse em declarações aos meios do clube alemão que está “feliz” pela transferência e “ansioso” pelo tempo que vai passar na Bundesliga. Já o Sporting, que se despede com um vídeo que junta alguns dos melhores momentos do holandês em Alvalade, não esquece os problemas com o agente do avançado mas garante que “sabe distinguir o jogador Bas Dost do que o rodeia”. A saída do avançado representa para os leões um encaixe financeiro fixo de sete milhões de euros mais 500 mil em variáveis e ainda 15% de uma futura venda.

“Depois da saída de Sébastien Haller, era importante para nós encontrar um substituto adequado, e o melhor é que a solução encontrada já tem muita experiência e está numa posição de nos ajudar imediatamente. O Bas já conhece a Bundesliga. Com a estatura e a eficácia dele vai tornar-se uma peça importante da nossa equipa. A taxa de eficácia dele é muito forte e claro que queremos que seja um avançado perigoso”, pode ler-se no comunicado do Eintracht, que revela desde logo que o holandês vai usar a camisola ‘9’ em Frankfurt.

As primeiras notícias que davam conta da saída de Dost rumo ao Eintracht Frankfurt surgiram na semana passada, na véspera de uma importante receção do Sporting ao Sp. Braga. O avançado já não integrou a convocatória para essa partida e os leões anunciaram, numa curta nota publicada no site oficial, que existia “um princípio de acordo” com o clube alemão. Os problemas surgiram nos dias seguintes, quando o clube de Alvalade comunicou que “exigências financeiras de última hora” por parte do jogador estavam a dificultar o negócio — informação desde logo negada pelo agente de Dost, Gunter Neuhaus. O Eintracht juntou-se às críticas aos leões e garantiu que “nunca é fácil” negociar com o Sporting e a SAD leonina acabou por falhar um acordo numa primeira reunião com Neuhaus, a meio da semana passada. Entretanto, o holandês foi dispensado do treino de quarta-feira, reapareceu no dia seguinte em Alcochete para cumprir trabalho de ginásio e acabou mesmo por treinar com a equipa na sexta-feira. As duas partes acabaram por chegar a um acordo na noite de sexta-feira.

Depois de ter cumprido testes médicos este domingo, Dost regressa à Alemanha, onde jogou entre 2012 e 2016, sempre ao serviço do Wolfsburgo. Em Portugal, e após uma estreia impressionante, terminando a primeira temporada em Alvalade com 36 golos e perdendo por pouco a corrida à Bota de Ouro europeia para Messi, o avançado manteve o ritmo goleador no segundo ano no Sporting, o último de Jorge Jesus no comando técnico dos leões. No seguimento das agressões na Academia a meio de maio do ano passado, o holandês rescindiu de forma unilateral com o clube — assim como outros jogadores — e foi um dos vários atletas que aceitaram regressar à equipa quando a Comissão de Gestão liderada por Sousa Cintra ficou responsável pelos destinos dos leões. Bas Dost, que em 2016 se tornou a contratação mais cara da história do Sporting (custou 10 milhões de euros), passou nessa a altura a ser o jogador mais bem pago do plantel leonino, passando a auferir cerca de três milhões/ano.

O elevado vencimento do avançado holandês, que na última temporada perdeu fulgor e até espaço na equipa — Luiz Phellype chegou e conquistou a titularidade em inúmeras ocasiões, muito graças às lesões e à irregularidade de Dost –, levaram o Sporting a colocar em cima da mesa a venda do jogador no atual mercado de verão. O avançado, que tinha contrato até junho de 2021, recusou todas as propostas da SAD leonina que visavam uma diminuição salarial e rejeitou a possibilidade de uma ida para a China ou para o México, por querer continuar a atuar em ligas competitivas, e também da Rússia e da Turquia, por exigir pelo menos os mesmos três milhões anuais que recebe em Alvalade.