Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de ter sido noticiado pela página Axios que Donald Trump terá sugerido que os Estados Unidos utilizassem armas nucleares para impedir que os furacões chegassem a território norte-americano, o Presidente norte-americano veio desmentir a informação através do Twitter. “A história da Axios de que o Presidente Trump queria fazer explodir grandes furacões com armas nucleares antes que chegassem à costa é ridícula. Eu nunca disse isso. São apenas mais notícias falsas”, escreveu Trump esta segunda-feira.

A notícia da Axios avançada também esta segunda-feira citava uma fonte que estaria na reunião em que a ideia terá sido posta em cima da mesa. Durante um encontro em 2017 relacionado com a aproximação de uma tempestade aos Estados Unidos, Trump terá dito: “Já entendi, já entendi. Porque é que não os bombardeamos?”. A resposta dos oficiais? “Senhor, vamos ver isso”, garantiu a fonte.

A Axios acrescenta que isso terá sido sugerido várias vezes por Donald Trump desde que se tornou presidente dos Estados Unidos. Depois de questionar os oficiais sobre a origem destas tempestades, o presidente norte-americano terá chegado a perguntar: “Elas começam a formar-se junto à costa de África. Enquanto se movem pelo Atlântico, atiramos uma bomba dentro do olho do furacão para perturbá-lo. Porque é que não podemos fazer isso?”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O motivo está no site do Laboratório de Meteorologia e Oceanografia do Atlântico da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) — o instituto norte-americano responsável pela monitorização destas tempestades. “Além do facto de que isso pode nem sequer alterar a tempestade, essa abordagem negligencia o problema de que a precipitação radioativa libertada moveria-se rapidamente com os ventos, afetaria áreas de terra e causaria problemas ambientais devastadores”.

Bombardear os furacões pode não resultar porque estas tempestades podem libertar até 20×1023 watts de energia, o que equivale à energia libertada por uma bomba nuclear de 10 megatoneladas a explodir uma vez a cada 20 minutos. Só 10% de toda essa energia é traduzida na energia mecânica do vento causado pelo furacão. “Se pensarmos em energia mecânica, a energia à disposição da humanidade está próxima da da tempestade, mas a tarefa de concentrar só metade dela num ponto no meio de um oceano remoto seria formidável”, continua o NOAA.

Esta explicação estava na página do NOAA muito antes de Donald Trump ter alegadamente sugerido esta ideia aos oficiais norte-americanos. Segundo a Axios, a utilização de armas nucleares para combater os furacões é uma sugestão que surgiu nos tempos de Dwight D. Eisenhower, antigo presidente dos Estados Unidos entre 1953 e 1961. Desde então que “aparecem sempre sugestões de que se deve simplesmente usar armas nucleares para tentar destruir as tempestades”, confirma o NOAA.

Questionada pelo Axios sobre as sugestões de Donald Trump, a Casa Branca, na altura, afirmou apenas que “não comenta discussões privadas que o presidente possa ter tido ou não com a sua equipa de segurança nacional”.

(Artigo atualizado às 17h51 com o desmentido de Donald Trump)