Rádio Observador

Vaidades

Margaret Qualley: De hippie no filme de Tarantino a estrela em ascensão em Hollywood

145

Tem 24 anos, queria ser bailarina mas acabou por seguir as pisadas da mãe, Andie MacDowell. O pequeno papel em "Era uma vez... em Hollywood" está a valer a Margaret Qualley rasgados elogios.

Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic

Para quem já viu o novo filme de Quentin Tarantino talvez os olhos azuis de Margaret Qualley sejam familiares, ela que interpreta uma hippie que pertence à seita de Charles Manson na longa-metragem com quase três horas de duração. Apesar de pequeno, este não é o primeiro papel da atriz de 24 anos, filha de Andie Macdowell com o ex-modelo Paul Qualley. A estreia aconteceu anos antes de “Era uma vez…em Hollywood”, mas é esta participação que está a somar rasgados elogios. A publicação francesa Première, dedicada ao que se passa no pequeno e no grande ecrã, escreveu que Qualley “eclipsou totalmente” Margot Robbie, o que não é muito difícil de perceber se tivermos em conta que a atriz que faz de Sharon Tate tem poucas falas.

Margaret Qualley fotografada em julho de 2019

Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic

Ainda assim, fazer furor numa obra repleta de estrelas não é tarefa fácil — Qualley contracena sobretudo com Brad Pitt que, por sua vez, contracena com Leonardo DiCaprio, este que chega a trocar algumas (poucas) falas com Margot Robbie. O britânico The Guardian lamenta os papéis femininos estereotipados no filme de Tarantino, mas abre uma exceção para falar de Qualley e na performance que faz dela uma estrela em ascensão. O espanhol El País escreve que a atriz é a “nova revelação de Hollywood” (o francês Le Figaro também), o IndieWorld usa a expressão “it girl” no título de uma peça e o Dealine “musa da Broadway”. Já em 2016 o The New York Times colocava Qualley numa lista de quatro atrizes cuja carreira estava a despontar.

© @margaretqualley/Instagram

Elogios à parte, Qualley nem sempre quis ser atriz e, numa primeira fase, optou pela dança. Originária do estado norte-americano do Montana, a atriz cresceu numa quinta. Aos 14 anos saiu de casa para estudar dança na University of North Carolina School of the Arts, modalidade na qual deixou de investir dois anos depois, quando ponderou se a dança era realmente o ideal para “a sua cabeça e para coração”. “[O ballet] Exige tanta dedicação… Estamos sempre a esforçar-nos para sermos perfeitas e eu já estava muito consumida por isso. Percebi que estava a fazer aquilo pelas razões erradas”, disse, citada pela Harper’s Bazaar.

É numa altura pós-dança que se muda para Nova Iorque, onde começa a dar os primeiros passos enquanto modelo e atriz. Em 2013 estreia-se nas longas-metragens com o filme “Palo Alto”, de Gia Coppola. Um ano depois é a vez de garantir um papel importante na série de culto “The Leftovers”, da HBO.

Em agosto de 2016 Margaret Qualley foi protagonista num anúncio de fragrâncias nunca antes visto, que rompeu com os clichés da indústria. Coreografia hipnótica da autoria de Ryan Heffington (o mesmo nome por detrás de “Chandelier” da enigmática cantora Sia) marcou a performance da jovem artista, num vídeo da Kenzo com quase quatro minutos de duração realizado por Spike Jonze (“Queres Ser John Malkovich?”). Publicado a 29 de agosto desse ano, já acumulou quase 30 milhões de visualizações.

© margaretqualley/Instagram

“Às vezes, penso que não mereço a vida que tenho. Ao mesmo tempo que gosto de acreditar que o trabalho árduo me ajuda a conseguir as coisas, também sei que as portas me têm sido abertas. Tive oportunidades desde muito jovem que, de outra forma, não teria”, admitiu a atriz Margaret Qualley, numa entrevista à revista Paper, no início de julho. Nesse mesmo mês Qualley foi nomeada para um Emmy de Melhor Atriz Secundária em Minissérie pela sua performance em “Fosse/Verdon”.

Num futuro próximo será possível ver Margaret Qualley em dois filmes: “Seberg“, protagonizado por Kristen Stewart que interpreta a atriz Jean Seberg, e “Strange But True” (ainda sem título em português). Outros projetos estão em fase de pós-produção.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)