Rádio Observador

Greve

Motoristas: Sindicato e patrões não chegam a acordo nos serviços mínimos, decisão fica para o Governo

Decisão sobre serviços mínimos na greve de setembro ficará para os ministérios responsáveis. Sindicato e patrões não chegaram a acordo sobre serviços mínimos para sábados, domingos e feriados.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Ainda há margem para que a greve anunciada para setembro seja desconvocada, tendo em conta o “reatar de relações entre ambas as partes”, de acordo com o presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, Francisco São Bento “passo a passo, tudo é possível”. Para já, a garantia é a de que os motoristas cumprirão oito horas diárias de trabalho de segunda a sexta-feira, mantendo-se o impasse relativo aos serviços mínimos aos sábados, domingos e feriados.

“Ficamos com dúvidas sobre quais seriam os serviços mínimos, principalmente aos sábados. Ambas as partes não tinham meios para definir percentagens e por isso deixamos para os ministérios essa decisão”, afirmou Francisco São Bento.

O responsável deu ainda o exemplo dos aeroportos de Lisboa e Faro, onde não era possível chegar a acordo sobre os níveis de combustível que seriam considerados “suficientes”.

Para André Matias de Almeida, o porta-voz da ANTRAM, continua a haver espaço para que se comece um processo de mediação “desde que não tenha como imposição o resultado final da mesma”.

O porta-voz dos patrões destacou a concordância do sindicato “no caso dos serviços mínimos na saúde a 100%” e afirma que se caminha para aquilo que “pode ser um entendimento” desde que se passe “das palavras aos atos”.

Matias de Almeida disse, uma vez mais, que a ANTRAM está disponível para assinar “uma folha em branco para a mediação”.

A falta de acordo entre sindicato e patrões já ameaçou parar o país duas vezes este ano, tendo o Governo recorrido a duas requisições civis para minorar os impactos das greves dos motoristas de matérias perigosas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)