Rádio Observador

PSD

PSD acusa Costa de desempenhar papéis de artista de circo

348

David Justino afirma que Costa consegue ser malabarista, contorcionista ou ilusionista mantendo o "circo" em torno da greve dos motoristas.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O vice-presidente do PSD David Justino considerou esta segunda-feira que o Governo montou um circo em redor da greve dos motoristas, que se mantém, com António Costa a desempenhar vários papéis.

“O doutor António Costa, o PS e o Governo, como é natural, montaram o circo por causa da greve dos camionistas. Já acabou a greve, mas o circo mantém-se, e direi que ele se mantém porque o doutor António Costa faz os papéis todos, ou seja, é o malabarista, depois sai de cena, há uns ‘comperes’, que no fundo falam pelo meio, e ele volta, e então vai fazer o número de contorcionista”, ironizou.

David Justino, que falava na sessão de abertura da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, prosseguiu o seu discurso acusando ainda António Costa de interpretar o “número de ilusionista”, em relação ao protesto dos motoristas.

“Ele volta a sair, volta a entrar e depois faz o número de ilusionista, e vou ficar por aqui porque hoje não há palhaços”, disse.

“Era bom que o PS em vez de continuar a prometer para mais quatro anos pusesse a mão na consciência e respondesse por estes quatro anos que passaram, em que não fez uma reforma que se possa atribuir ou dar esse mesmo nome”, acrescentou.

David Justino, que ao longo do discurso apontou vários pontos que distinguem o PSD do PS, criticou ainda a entrevista de António Costa ao Expresso, nomeadamente sobre as questões relacionadas com o programa de Governo que o PSD está a desenvolver.

“O senhor primeiro-ministro e atual candidato do PS e secretário-geral do PS, confessou na última entrevista que deu ao jornal Expresso que o programa do PSD promete tudo a todos. Ele não leu, como confessou, porque ele não estava a ler o programa do PSD, ele estava a ver-se ao espelho, claramente. Porque se há alguém neste país que andou a prometer tudo a todos foi o doutor António Costa”, acusou.

As críticas ao PS prosseguiram numa outra fase da sua intervenção, em que David Justino afirmou que o único adversário do PSD nesta altura em que se aproximam as eleições legislativas é o PS.

“O nosso principal adversário, quer queiramos quer não é o PS, não é mais ninguém. O PS pode ter mais adversários e cada entrevista que dá arranja mais um adversário, nomeadamente se o Bloco de Esquerda não está na linha desejada, e se se quer puxar pela votação, obviamente transforma-se o Bloco de Esquerda num adversário”, disse.

“Na verdade, parece que o PS está rodeado de adversários por todo o lado e, cirurgicamente, vai fazendo ataques no sentido de minimizar o papel dos adversários”, acrescentou.

A tradicional iniciativa social-democrata de formação de jovens quadros assinala a sua 17.ª edição e contará também entre os participantes com o coordenador do programa eleitoral do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes, o professor universitário e antigo ministro do Desenvolvimento Regional Miguel Poiares Maduro, dois vice-presidentes do PSD, David Justino e Salvador Malheiro, e o eurodeputado do partido Paulo Rangel.

O eurodeputado espanhol e vice-presidente do Partido Popular Europeu Esteban González será o orador de um dos jantares-conferência, tal como António Vitorino, que falará sobre migrações.

O encerramento da iniciativa será feito por Rui Rio, que no sábado estará na Festa do Pontal, no Algarve, o acontecimento que este ano se realizará em Monchique e que, juntamente com a universidade de verão, marca a ‘rentrée’ política dos sociais-democratas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)