Rádio Observador

Moda

Morreu Isabel Toledo, a designer de Michelle Obama

120

Tinha 59 anos e mais de 30 de carreira. De origem cubana, Isabel Toledo abriu espaço no mundo na moda, mas foi em 2009, quando vestiu Michelle Obama, que o mundo ficou a conhecê-la.

Isabel Toledo morreu esta segunda-feira, aos 59 anos, vítima de cancro da mama

FilmMagic

Isabel Toledo, designer de moda de origem cubana, morreu aos 59 anos, segundo um comunicado emitido pelo seu atelier na última segunda-feira. A criadora, que ficou conhecida por desenhar as peças usadas por Michelle Obama na tomada de posse do marido como presidente dos Estados Unidos, em 2009, acabou por falecer na sequência de um cancro na mama.

Ao longo da sua carreira, nomes como Demi Moore, Debi Mazar e Debra Messing usaram as suas criações, tanto no ecrã como na passadeira vermelha. Chegou a New Jersey quando era ainda uma adolescente, vinda de Cuba. Estudou moda em Nova Iorque, apesar de nunca ter concluído o curso. No liceu, conheceu Ruben Toledo. O pintor e escultor acabaria por se tornar seu marido. Os dois continuavam casados à data da morte de Isabel e eram vistos quase sempre juntos.

Ruben e Isabel Toledo em janeiro de 2017 © John Lamparski/WireImage

Em 1985, apresentou a sua primeira coleção. Permaneceu sempre como designer independente, ultimamente mas presente em exposições do que propriamente em desfiles convencionais. Entre 2006 e 2007, foi diretora criativa da marca Anne Klein. Ainda assim, o seu trabalho mais popular chegaria apenas em janeiro de 2009, quando vestiu Michelle Obama para a tomada de posse de Barak Obama, o primeiro presidente afroamericano dos Estados Unidos.

“Digo que é lemongrass [erva-cidreira, um verde esbatido] porque não é amarelo, não é verde”, explicou Toledo, na altura, à Associated Press, assumindo a sua predileção por “não-cores”. “A ideia de que o casaco e o vestido são dourados para uns, em amarelo pálido para outros… mostra que, num determinado momento, cada um consegue olhar para eles com muito mais profundidade. Isso dá a quem usa e a quem vê uma experiência muito mais pessoal”, concluiu.

Barak e Michelle Obama na tomada de posse, em janeiro de 2009 © Justin Sullivan/Getty Images

Em 2012, Isabel Toledo publicou o livro “Roots of Style” (Raízes do Estilo), uma autobiografia ilustrada pelo marido, Ruben Toledo. “Toda a gente roubou alguma coisa da Isabel, de certa forma. O trabalho dela era em torno do volume, do corte, da experimentação, um laboratório de tecidos — e isso não é uma imagem de Instagram. Isso é moda”, referiu o designer israelita Alber Elbaz ao The New York Times.

Em 2015, Ruben e Isabel Toledo lançaram uma linha de fragrâncias em parceria com a Lane Bryant. A incursão ao mundo da perfumaria aconteceu um ano depois de a criadora ter desenhado uma coleção para a mesma cadeia, a primeira no retalho norte-americano com tamanhos grandes e assinada por uma designer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)