A Polícia Judiciária (PJ) desmantelou uma célula na área de Cascais de uma rede que se aproveitava de chineses que queriam emigrar para fora do seu país, acabando por sequestrá-los e deixá-los a viver “sob coação e em regime de escravidão”.

Ao todo, informa a PJ, foram encontrados e resgatados 17 cidadãos chineses durante uma operação realizada em junho deste ano. Juntamente com essas pessoas, foram encontrados dois arguidos, um dos quais está detido e já foi interrogado. O outro detido está obrigado a apresentar-se às autoridades três vezes por semana.

De acordo com o comunicado de imprensa da PJ, esta investigação surgiu depois de um pedido de colaboração por parte da Polícia Nacional de Taiwan, que suspeitava que “vários cidadãos daquele território se encontrariam em Portugal vítimas de tráfico de pessoas”.

“Constatou-se no local que os cidadãos estavam coagidos a manter contatos via internet, num esquema de burlas montado pelo arguido detido, com cidadãos da China continental, a quem eram extorquidos elevados montantes sob ameaça de perseguição policial e judicial naquele país“, detalha a PJ.

De acordo com a imprensa de Taiwan, o homem que foi detido pela PJ, de apelido Hsi, gastou dois milhões de dólares taiwaneses (57 mil euros) para recrutar 19 taiwaneses, a maioria dos quais jovens desempregados ou com problemas financeiros, que recebiam um salário de 25 mil dólares taiwaneses (714 euros), juntamente com parte dos lucros da operação.

Segundo o CBI, alguns dos membros do grupo faziam-se passar por funcionários de uma empresa de telecomunicações da China continental, procurando convencer as vítimas de que o seu telemóvel estava a ser usado para enviar mensagens de “spam”.

Outros membros ligavam mais tarde fazendo-se passar por agentes da polícia e do Ministério Público chineses, avisando que a conta bancária da vítima iria ser congelada e exigindo a transferência do dinheiro para uma conta controlada pelo grupo.

Ainda de acordo com a PJ, esta foi a “primeira vez na Europa” que um grupo organizado deste tipo foi desmantelado “em plena atuação”.