O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou esta quarta-feira a necessidade de mais investimentos em educação em África, para além dos já atribuídos a outras áreas como as infraestruturas e para o desenvolvimento do continente.

No seu discurso de abertura da VII Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento Africano (TICAD), António Guterres sublinhou o “progresso substancial” feito pelos países africanos em “numerosas áreas” nos últimos anos e salientou as “vastas oportunidades de comércio e investimento”.

O secretário-geral da ONU disse que para sustentar o desenvolvimento do continente “serão necessários investimentos extensos” em infraestrutura como os transportes e telecomunicações, mas também em “melhorar a educação”, uma área na qual “muito trabalho ainda precisa ser feito”, disse.

“A falta de investimentos suficientes em educação, pesquisa e desenvolvimento… pode condicionar o crescimento de África”, disse Guterres, que também expressou o seu desejo de que o fórum, que se realiza até sexta-feira em Yokohama (sul de Tóquio), “possa fornecer um impulso sustentável”.

Representantes de meia centena de países africanos e organizações internacionais como a ONU, o Banco Mundial ou a União Africana, coorganizadores do fórum com o governo japonês, participam da VII edição do TICAD.

A conferência vai concentrar-se na promoção de oportunidades de negócios em África e na colaboração público-privada, segundo o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Abe prometeu “fazer esforços” para aumentar o ritmo de investimento das empresas japonesas no continente africano, que nos últimos três anos somou 25,6 biliões de dólares (23.082 milhões de euros), de acordo com dados do Ministério da Cultura japonês.

Esta conferência internacional realizou-se no Japão a cada cinco anos entre 1993 e 2013 e, desde então, começou a ser organizada a cada três anos. Na sua edição anterior de 2016 e excecionalmente ocorreu em Nairóbi, Quénia, sendo a primeira vez que o fórum foi realizado no continente africano.