Rádio Observador

Lançamentos

Novos livros de Ali Smith e Virginie Despentes publicados em outubro

Para este trimestre, a Elsinore guardou os novos livros das aclamadas autoras Ali Smith e Virginie Despentes, um candidato ao Booker inspirado em "Frankenstein" e o regresso de Bret Easton Ellis.

Ali Smith iniciou em 2016 a tetralogia das estações do ano. Este ano, lançou "Primavera"

Getty Images

Na Elsinore, os últimos três meses do ano ficarão marcados pelo regresso de grandes autoras contemporâneas, como Ali Smith ou Virginie Despentes, que verão as suas obras mais recentes publicados em português. O novo livro de João Reis e o regresso às livrarias de Bret Easton Ellis, autor de Psicopata Americano, serão outras das novidades da editora portuguesa.

Três anos depois da publicação de Outono, romance inaugural da série dedicada às quatro estações do ano, Ali Smith lançou Primavera. A edição portuguesa vai chegar em outubro. É também neste mês que chegará o segundo volume da trilogia feminista francesa Vernon Subutex, de Virginie Despentes, outra autora nomeada para o Man Booker Prize, mas em 2018 (Smith foi-o em 2016).

Segundo a Elsinore, “neste livro, a autora traça um retrato político realista e impiedoso da sociedade europeia de hoje: a corrupção dos banqueiros, a manipulação da opinião pública através das redes sociais, o extremismo político e o crescente ódio social. Um retrato violento, cru e audaz dos dias de hoje em ritmo narrativo acelerado”.

A editora parece acompanhar de perto o importante prémio de literatura em língua inglesa, já que, neste último trimestre, irá ainda lançar Frankisstein: Uma História de Amor, romance nomeado para a longlist deste ano. O livro da britânica Jeanette Winterson é, segundo resumiu a Elsinore, “uma ousada e delirante evocação do clássico de Mary Shelley”, Frankenstein ou o Prometeu Moderno.

Para outubro, está ainda marcado o lançamento de dois livros do norte-americano Bret Easton Ellis, autor de grande popularidade nos anos 80 e 90 — Branco, a primeira obra de não-ficção do autor de Psicopata Americano sobre os millenials, e Menos Que Zero.  Este último foi publicado originalmente em 1985 e é hoje considerado uma obra de culto da literatura norte-americana. “O retrato cru e implacável de uma geração perdida, reclusa no mundo de ostentação, passividade e niilismo da Los Angeles classista da década de 80, que encontrou refúgio no sexo, nas drogas e na dormência de sentimento”, apontou a editora.

Cavalo de Ferro publica novo romance de Olga Tokarczuk

Depois de Viagens, a Cavalo de Ferro, uma chancela do grupo editorial a que pertence a Elsinore, vai lançar Conduz o Teu Arado Sobre os Ossos dos Mortos, o último livro da polaca Olga Tokarczuk, vencedora do Man Booker Prize International em 2018, prémio que lhe valeu a fama internacional (Tokarczuk está atualmente traduzida em mais de 30 línguas).

“Misto de thriller psicológico e fábula macabra”, Conduz o Teu Arado Sobre os Ossos dos Mortos foi traduzido do polaco para o português por Teresa Fernandes Swiatkiewicz. O livro, que será publicado em outubro, foi nomeado para o Booker International deste ano, mas o prémio acabou por ir parar às mãos de Jokha Alharthi, do Sultanato de Omã.

Em outubro, a Cavalo de Ferro irá ainda lançar A Marcha de Radetzky, de Joseph Roth. Para o mês anterior, está agendado o lançamento dos romances Na Floresta, de Edna O’Brien, e Orlando: uma biografia, de Virginia Woolf. Na não-ficção, a editora irá publicar O Zen e a Arte da Escrita, de Ray Bradbury, e Um Bárbaro no Jardim, de Zbigniew Herbert.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)