A tempestade tropical Dorian tornou-se num furacão de categoria 1 quando está perto de São Tomás, a principal das Ilhas Virgens Americanas, informou esta quarta-feira o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

O furacão de categoria 1 na escala de Saffir-Simpson (que tem cinco níveis) tem ventos máximos sustentados de 120 quilómetros/hora e desloca-se para noroeste a cerca de 20 quilómetros/hora, passando nas próximas horas na costa nordeste de Porto Rico, frisa o NHC, com sede em Miami. Os meteorologistas alertam que o furacão pode aumentar de intensidade e chegar a categoria 3, ou seja, com ventos superiores a 177 quilómetros/hora.

É esperado que o ciclone Dorian passe a leste das Bahamas e se dirija para os Estados Unidos, tocando terra no fim de semana ou na segunda-feira, na zona da Florida, perto do Cabo Canaveral e Orlando.

Dorian, que se fortaleceu nas últimas horas, pode provocar chuvas fortes e inundações graves, para além de ventos fortes, em Porto Rico, Ilhas Virgens Britânicas, nas Bahamas e sudeste dos Estados Unidos. Os especialistas alertam ainda para as más condições do mar nas zonas afetadas, com onde fortes e correntes, que podem colocar as pessoas em perigo.

O meteorologista do NHC Rod Molleda lembrou esta quarta-feira que o Dorian é o “primeiro impacto significativo” para Porto Rico desde a passagem do furacão Maria, que causou a morte de cerca de 3.000 pessoas em setembro de 2017.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já declarou o estado de emergência em Porto Rico, antes da chegada do agora furacão Dorian.

A ordem autoriza o Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos e a Agência Federal para a Gestão de Emergências (FEMA, na sigla em inglês) a coordenarem as ajudas de emergência na ilha, devastada pelo furacão Maria em 2017.