Rádio Observador

Cinema

“Blinded by the Light-O Poder da Música”: Bollywood encontra Bruce Springsteen

Este musical "social", edificante e demonstrativo, da realizadora Gurinder Chadha, a autora do muito superior "Chuta como Beckham", não vai muito longe. Eurico de Barros dá-lhe duas estrelas.

Um filme musical passado nos anos 80 que tem por combustível sonoro e anímico as canções de Bruce Springsteen

Autor
  • Eurico de Barros

Chama-se “jukebox musical” ao musical de palco ou de cinema que não tem uma banda sonora própria e vai buscar melodias e canções já existentes. “Moulin Rouge”, de Baz Luhrmann é um “jukebox musical” que foi pedir emprestadas canções aos Beatles, Elton John, Dolly Parton ou Phil Collins, tal como o são os dois “Mamma Mia!”, que se serviram em exclusivo de trabalhos dos ABBA. Já “Blinded by the Light-O Poder da Música”, de Gurinder Chadha (a realizadora de “Chuta como Beckham” e “Adeus Índia”), é uma inusitada mistura de filme de Bollywood passado em Inglaterra e com pretensões político-sociais, e de “jukebox musical” só com canções de Bruce Springsteen.

[Veja o “trailer” de “Blinded by the Light: O Poder da Música”:]

O filme é baseado nas recordações de juventude do jornalista e documentarista Sarfraz Manzoor, fanático de Bruce Springsteen, e que se chama aqui Javed, interpretado por Viveik Kalra. Estamos em Luton, na década de 80. Javed frequenta o liceu local, pertence a uma família paquistanesa que emigrou para Inglaterra, tem um pai autoritário e tradicionalista que trabalha numa fábrica de automóveis, nunca se assimilou e quer que o filho vá para a universidade e, se não conseguir ser médico ou advogado, que seja pelo menos contabilista. Só que Javed sente-se plenamente inglês, quer sair de casa e de Luton o mais depressa possível, seguir o seu próprio caminho e escrever para ganhar a vida.

[Veja uma entrevista com a realizadora:]

Um dia, Roops, um colega “sikh”, lhe dá a conhecer a música de Bruce Springsteen e Javed tem uma revelação quase mística. É dele, da sua vida, da sua família, das suas ambições, frustrações, desejos e sonhos que falam as canções de Springsteen, pertencente, tal como ele, a uma família modesta, suburbana e conservadora. E a partir daí, elas vão passar a ser o seu oxigénio, o seu alento, o seu combustível sonoro e anímico, o seu evangelho sob forma musical. Para frisar a importância das canções de Springsteen na vida de Javed, a realizadora sobrepõe os versos na tela enquanto ele as está a ouvir, mostrando a pouca confiança que tem na força emocional e na capacidade sugestiva do seu ator e das próprias canções. “Blinded by the Light-O Poder da Música” é um daqueles filmes que não para de frisar o óbvio, de sublinhar o que o espectador percebeu logo à primeira vez.

[Veja uma entrevista com o ator principal:]

Esta propensão demonstrativa da realizadora está por toda a parte deste filme feel good com tempero ideológico, e que contempla todos os lugares comuns, situações feitas, personagens-tipo e indignações prontas-a-sentir quer das produções de Bollywood, quer das fitas passadas na Inglaterra deste tempo e saídas das mãos de cineastas de esquerda. O pai tirano, a mãe submissa, a irmã discreta mas secretamente “rebelde”, a pressão para seguir a tradição, a namorada contestatária filha de pais abastados e caricaturalmente conservadores, a intolerância social e racial e a miséria económica da era Thatcher (que, a certa altura, num plano insidioso, é assimilada ao extremismo racista), a professora “progressista” compreensiva, o vizinho bondoso e compreensivo, o elogio do multiculturalismo.

[Veja uma cena do filme:]

Tudo isto anda a boiar num molho de canções de Bruce Springsteen que servem também para ilustrar sequências musicais e de dança desajeitadas e pirosas, desembocando num final estereotipadamente edificante e forçadamente feliz, em que até o rígido e opressivo pai de Javed se rende ao talento do filho e ao seu desejo de seguir os seus sonhos, e começa mesmo a ouvir Springsteen no carro. A ficha técnica final informa-nos que Safraz Manzoor já viu Bruce Springsteen (que apadrinha o filme) ao vivo 150 vezes. Que lhe faça muito bom proveito. Mas a julgar por esta pepineira de juntar por números e cantarolar em coro, Bollywood e Asbury Park não vão bem um com o outro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)