Rádio Observador

Festivais de Música

Festival Extramuralhas leva 14 bandas a Leiria e ao Mosteiro da Batalha

A 10.ª edição do festival Extramuralhas, que se realiza entre esta quinta-feira e sábado, em Leiria e, pela 1ª vez, no Mosteiro da Batalha, reúne 14 bandas num cartaz que abre com os italianos Ashram.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Leiria, 29 ago 2019 (Lusa) — A décima edição do festival Extramuralhas, que se realiza entre hoje e sábado, em Leiria e, pela primeira vez, no Mosteiro da Batalha, reúne 14 bandas num cartaz que abre hoje com os italianos Ashram.

Os Ashram tocam no monumento Património Mundial da Humanidade da Batalha. É a principal novidade do festival, que conta com bandas da Suécia, Inglaterra, Bélgica, França, Hungria, Canadá e Estados Unidos da América.

Também hoje, em Leiria, Skáld (França) tocam no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, e Actors (Canadá), na Stereogun.

Na sexta-feira, há concertos dos franceses Les Fragments de la Nuit no Museu de Leiria, Test Dept (Inglaterra) e Siglo XX (Bélgica) no Teatro José Lúcio da Silva, Henric de la Cour (Suécia) e Light Asylum (Estados Unidos da América), no Jardim Luís de Camões, e The Lust Syndicate (Itália), na Stereogun.

A edição de 2019 termina no sábado, com atuações dos Meta Meat (França), no Museu de Leiria, She Wants Revenge (Estados Unidos da América), no Teatro José Lúcio da Silva, Wulfband (Suécia) e Black Nail Cabaret (Hungria), no Jardim Luís de Camões, e Traitrs (Canadá), na Stereogun.

“Com o Castelo de Leiria em obras e com a consequente passagem do festival Entremuralhas para Extramuralhas”, realizando-se, pelo segundo ano, no centro de Leiria, “ficámos órfãos, ainda que circunstancialmente, do local que dava o epíteto de ‘festival gótico’ ao nosso evento”, explica o presidente da associação Fade In, Carlos Matos, responsável pela organização, em conjunto com a Câmara de Leiria.

O Mosteiro da Batalha, “exemplo maior da arquitetura gótica na região centro, sendo palco da abertura, volta a legitimar o cognome do evento”, antecipando Carlos Matos um espetáculo “tão idílico quanto o local que o acolhe”.

À décima edição, o organizador realça o percurso do Entremuralhas/Extramuralhas: “É uma história de mudanças e de novos paradigmas. Ajudámos as pessoas a relacionar-se com o ‘novo’ e com o ‘diferente’ de forma natural. Isso ainda é mais significativo e relevante se tivermos em conta que Leiria tinha, até há pouco anos, o ‘estigma’ de ser uma cidade demasiado conservadora”.

O festival gótico tornou a cidade “vanguardista, tolerante, inventiva, estética, arrojada, participativa e com uma saudável margem de irreverência”, chamando a Leiria visitantes de todo o mundo.

Para Carlos Matos o Entremuralhas/Extramuralhas tem sido “uma história extraordinária”, também porque tem permitido “fazer um festival ‘apenas’ com bandas e artistas dos quais somos fãs”, e que “não se veem ao vivo em mais nenhum lugar em Portugal”.

Nos primeiros anos concentrado no Castelo de Leiria, com lotação limitada a 737 espectadores por dia, o evento rapidamente se tornou referência internacional.

“Sabíamos que tínhamos argumentos suficientes para ser um festival de culto ou de nicho. A projeção e o sucesso que o nosso festival tem desde a sua primeira edição deve-se, sobretudo, ao conjunto de singularidades que o caracterizam. E isso, de facto, enche-nos de orgulho!”, disse Carlos Matos.

MLE/TDI // MAG/TDI

Lusa/fim

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)