Naquilo que é o resumo do que foi a receção deste sábado do Sporting ao Rio Ave, existe um dado histórico e estatístico que salta à vista: nunca, na história da Primeira Liga, uma equipa visitante marcou três golos de penálti. Mais: nunca, na história da Primeira Liga, um dos “três grandes” tinha sofrido três golos de penálti, seja em casa ou fora. Os três golos marcados pela equipa de Carlos Carvalhal à de Marcel Keizer, todos na sequência de grandes penalidades cometidas por Coates sobre Taremi, garantiram a vitória dos vilacondenses em Alvalade, a primeira derrota dos leões na Liga e o avolumar de registos históricos negativos da equipa leonina.

O Sporting, que não perdia para o Campeonato desde fevereiro (com o Benfica, 2-4), tem já a pior média de golos dos últimos 75 anos: neste momento, a equipa de Marcel Keizer leva uma média de 2,2 golos sofridos por jogo nos primeiros cinco encontros da temporada, tendo sofrido 11 de forma global. Mas há mais. Para além de serem a equipa com mais golos sofridos através de grandes penalidades desde que a Liga começou (quatro), os leões de 2019/20 igualaram o pior registo dos últimos 15 anos, já que em 2011/12, com Domingos Paciência no comando técnico da equipa, sofreram seis golos em quatro partidas. A equipa de Marcel Keizer, que tem então a quarta pior defesa da Primeira Liga, deixou assim escapar a liderança isolada para o Famalicão, que está no primeiro lugar da classificação pela primeira vez na história.

No final do jogo, Bruno Fernandes estava de cabeça perdida e não escondeu o desânimo quando falou na flash interview. O capitão leonino, que pode ter feito a última partida em Alvalade com a camisola do Sporting este sábado, defendeu que “não é normal” que os leões sejam “sempre desfavorecidos”. “Ao mínimo toque para as outras equipas é falta e para o Sporting nunca acontece nada…não sei. Depois as supostas equipas pequenas queixam-se da arbitragem? Hoje não se podem queixar. Podem sair satisfeitos com a arbitragem que tiveram”, disse o médio português, que ainda assim ressalvou que não tinha visto os lances novamente e não podia falar sobre o assunto. “Não falo das grandes penalidades nem quando perdemos. A mentalidade do futebol português tem de mudar. Continua muito pequena. E é por isso que na Europa não fazemos a diferença”, atirou Bruno Fernandes, que acabou por deixar a zona da flash de forma abrupta.

Já Marcel Keizer, que foi assobiado em Alvalade por só ter lançado Gonzalo Plata depois de estar a perder, reconheceu que o Sporting “não jogou o suficiente”. “Não fomos bons o suficiente com bola, como somos normalmente, e isso trouxe problemas depois do 2-1. Temos de manter mais a bola. Se não se consegue fazer isso, tens problemas. Não tenho opinião sobre os penáltis, o árbitro decidiu e não posso fazer nada. Só tenho opinião sobre a minha equipa. Não jogámos o suficiente. Se tivéssemos tido mais bola depois do 2-1 podia ter sido diferente”, explicou o treinador holandês, que acrescentou ainda que a derrota com o Rio Ave vai ser difícil de digerir porque em breve “70% dos jogadores vão para as seleções”. Sobre Bruno Fernandes, Keizer limitou-se a dizer que o clube não está “em posição de decidir o que quer” e por isso “tem de esperar”, garantindo depois que os leões estão ainda a tentar contratar um avançado.