O secretário-geral do PCP afirmou este domingo que “não se pode comparar o que não é comparável”, numa resposta a António Costa que pediu “um PS forte” para evitar que o país caia num “impasse à espanhola”.

“Não se pode comparar o que não é comparável. Depois, estas eleições não são para primeiro-ministro, são para eleger os deputados. Não confundamos as coisas e o português ainda não decidiu”, disse Jerónimo de Sousa, que respondia a jornalistas após apresentar no Porto 30 medidas urgentes que o PCP e a CDU pretendem defender na Assembleia da República.

Numa entrevista difundida hoje pela agência Lusa, o primeiro-ministro e secretário-geral socialista, António Costa, advertiu que Portugal poderá cair numa “situação de impasse à espanhola” caso não saia “um PS forte” das eleições de 06 de outubro, ficando assim comprometida a estabilidade necessária à prossecução das políticas seguidas na atual legislatura.