Rádio Observador

Celebridades

O vestido Chloé, estrelas de Hollywood e uma catedral: o casamento quase real de Ellie Goulding

150

No casamento, a cantora britânica teve estrelas de Hollywood, um vestido que demorou 640 horas a concluir e gente alinhada nas ruas. As comparações com as bodas reais são inevitáveis. Veja as imagens.

Há casamentos e casamentos e no caso de Ellie Goulding, na falta de sangue real a correr-lhe nas veias, a opção foi planear uma cerimónia ao estilo de uma princesa de Buckingham. Não faltou nada, ou melhor, faltou a Rainha. Em frente à catedral de York, no passado sábado, a multidão debruçou-se sobre grades para ver passar noivos e convidados. Aos 32 anos, a cantora britânica deu o nó pela primeira vez no último sábado. O noivo, Caspar Jopling de 27 anos, é um negociante de arte, parte da equipa da Sotheby’s que se dedica à arte contemporânea, e mora em Nova Iorque.

O casal, à saída da igreja © John Rainford/GC Images

Não obstante o facto de formarem um belo casal, foi, em parte, a lista de convidados que rendeu tantas atenções à cerimónia. A família real britânica esteve presente. Sarah Ferguson, duquesa de York e ex-mulher do príncipe, juntou-se ao elenco de famosos, juntamente com as duas filhas, as princesas Eugenie e Beatrice. De Hollywood, onde vive outro tipo de realeza, chegou o casal Orlando Bloom e Katy Perry (também eles já com o casamento marcado). O comediante Jimmy Carr, a atriz Sienna Miller e os cantores James Blunt e Ed Sheeran também fizeram parte de uma lista de convidados que terá rondado as 300 pessoas.

Mas o vestido da noiva teve a sua quota-parte no aparato criado em York. Encomendado ao atelier da marca francesa Chloé, terão sido necessárias 640 horas de trabalho para concluir a peça. Sob a direção criativa da designer Natacha Ramsay Levi, o vestido até já foi comparado ao de Meghan Markle. Porquê? Pelo design extra sóbrio. Em seda e sem decotes ou transparências, Ellie Goulding, em tempos namorada do DJ Calvin Harris, optou por um modelo de manga comprida e com uma pequena gola com folho, bem ao estilo vitoriano. A decorar a textura lisa, pequenas rosas brancas bordadas com contas de vidro.

As damas de honor de Ellie Goulding © John Rainford/GC Images

Com o véu, a cantora aproveitou para fazer uma referência ao noivo. Sobre o tule branco foram bordadas as iniciais do casal — um E e um C. Com provas feitas em Paris, Ellie já disse em comunicado que trabalhou juntamente com a designer para criar um vestido “clássico” e “intemporal”. O exercício chegou a bom porto.

Ainda assim, o casamento que marcou o fim de semana foi pontuado com um momento de informalidade. A transportar os noivos esteve uma carrinha Volkswagen azul, um modelo pão de forma, decorada com as mesmas flores brancas que adornaram a catedral. Segundo o The Sun, o casal terá gasto cerca de 20.000 libras em decorações florais, mais de 22.000 euros. Veja as imagens da cerimónia, na fotogaleria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)