Rádio Observador

Aviação

Austrália. Piloto em formação obrigado a aterrar avioneta na primeira aula, depois de instrutor ter desmaiado

1.466

Depois de o seu instrutor de voo ter desmaiado, Max Sylvester teve de aterrar a avioneta sozinho. "Sabes operar a avioneta?", perguntou o controlador aéreo. "Esta é a minha primeira aula", respondeu.

No final, Max Sylvester conseguiu aterrar a avioneta de forma segura no aeroporto de Jandakot, apesar de ter feito várias tentativas até lá

Getty Images

Tudo parecia estar a correr normalmente para a primeira aula prática de Max Sylvester, um futuro piloto que está a iniciar a sua formação. No entanto, a situação que ocorreu no sábado passado acabou por ser tudo menos normal. O instrutor de Max perdeu a consciência durante o voo, cerca de uma hora depois da descolagem. O aluno, sem nunca ter feito tal coisa, foi obrigado a aterrar sozinho o Cessna de dois lugares. Enquanto tudo isto acontecia, tinha à sua espera no aeroporto de Jandakot, na Austrália, a mulher e os três filhos.

Depois de perceber que o seu instrutor de voo tinha desmaiado, Max, de 29 anos, entrou em contacto com o controlador aéreo para perceber o que teria de fazer. Começou por explicar que o instrutor estava encostado no seu ombro e que não o conseguia colocar sentado direito, e ouviu, de seguida, a pergunta do outro lado da linha: “Sabes operar a avioneta?”. “Esta é a minha primeira aula”, respondeu Max Sylvester. O aprendiz esteve durante 62 minutos a falar com o controlador, a ouvir instruções para aterrar o aparelho em segurança e, de vez em quando, ia até ouvindo palavras de incentivo: “Estás a fazer um ótimo trabalho. Sei que isto é muito stressante, mas vais fazer um ótimo trabalho e vamos ajudar-te a aterrar”.

Quando a situação ia ficando mais calma, o controlador aéreo aproveitava para perguntar também sobre o estado de saúde do instrutor, que continuava desmaiado. “O teu trabalho agora é continuar focado na avioneta”, relembravam-lhe. Em determinado momento, Sylvester até colocou o seu sentido de humor em prática: “Bem, o meu instrutor de voo tinha dito que eu era o melhor estudante que ele teve”.

No final, Max Sylvester conseguiu aterrar a avioneta de forma segura, apesar de ter feito várias tentativas até lá. A aterragem de emergência foi feita com vários espectadores reunidos no aeroporto. O instrutor foi imediatamente encaminhado para um hospital local, onde chegou a estar em estado grave depois de ter sofrido uma convulsão, mas encontrando-se neste momento estável. Chuck McElwee, dono da escola de pilotagem, disse ao Independent que nunca tinha visto um caso destes durante os seus 28 anos de carreira na aviação.

À ABC News, Max Sylvester contou que a adrenalina tomou conta dele naquele momento e acrescentou que é “apenas um piloto a fazer aquilo para que foi treinado”. “Os meus estudos mantiveram-me vivo. Isso definitivamente salvou-me”, referiu. O medo que algo semelhante volte a acontecer, sublinhou, existe, mas “é uma daquelas coisas de que nunca mais se ouve falar”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)