O campeão mundial de judo Jorge Fonseca disse, na segunda-feira, ambicionar uma medalha nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, e realçou que a medalha de ouro no Mundial foi “de superação”.

Foi uma medalha de superação. O meu objetivo agora é Tóquio2020, já fui campeão do mundo e agora é trabalhar para isso. Ainda falta muito para os Jogos Olímpicos, mas tenho uma grande expetativa. A seleção está a evoluir bastante, está no bom caminho e espero que, nos Jogos, possamos ter mais medalhas”, afirmou.

O judoca, que foi recebido no aeroporto de Lisboa por dezenas de pessoas que esperaram pacientemente pela chegada da seleção nacional, confessou não estar à espera da receção e deixou uma mensagem de esperança para os portugueses. “Foi uma grande receção, não estava à espera. Nós somos capazes, acreditem em nós e, nos Jogos Olímpicos, vamos tentar fazer o melhor resultado possível“, expressou.

O treinador de Jorge Fonseca, Pedro Soares, disse que este é um momento “de grande alegria”, mas também de reflexão pelos momentos menos bons antes da conquista da medalha. “Todos aqueles momentos que não correram tão bem e que falhámos, foram os momentos que nos permitiram construir esta medalha de ouro. Foi aquilo que nos fez ver e corrigir aquilo que não estava bem e poder tornar aquele dia perfeito”, explicou.

O técnico, de 45 anos, lembrou a prova “imaculada” de Jorge Fonseca e revelou o otimismo que paira para os Jogos Olímpicos de 2020, no qual afirmou que estarão na luta por uma medalha.

O Jorge foi campeão do mundo sem ser projetado, foi uma prova imaculada e a roçar a perfeição. Faltam 11 meses para os Jogos Olímpicos e esta medalha permite-nos olhar para essa competição com bastante otimismo. Estaremos, sem dúvida, a lutar por uma medalha”, sublinhou.

Jorge Fonseca, de 26 anos, tornou-se no primeiro português a conquistar uma medalha de ouro em Mundiais, ao derrotar Ilyasov, terceiro classificado nos Mundiais de 2018.

O judoca do Sporting, que nasceu em São Tomé e Príncipe, chegou ao combate decisivo ao derrotar o azeri Elmar Gasimov, vice-campeão olímpico no Rio2016 e europeu em 2014, nas meias-finais, por waza-ari, depois de ter superado, nos quartos de final, o georgiano Varlam Liparteliani, por ippon, em 3.15 minutos.